Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

MPF indicia 21 por homicídio doloso por tragédia em Mariana

Ex-presidente da Samarco e diretores estão entre os denunciados, nesta quinta-feira (20)

Minas Gerais|Do R7


Rompimento destruiu distrito inteiro em Minas Gerais
Rompimento destruiu distrito inteiro em Minas Gerais

O Ministério Público Federal denunciou o ex-presidente da Samarco e outras 20 pessoas por homicídio doloso pelo rompimento da barragem de Mariana, em novembro de 2015, quando 19 pessoas morreram. As empresas Samarco, Vale, BHP Billiton, responderão por nove crimes ambientais; a VogBR e um engenheiro são acusados de apresentação de laudo falso. 

De acordo com a denúncia apresentada nesta quinta-feira (20), além do homicídio, o presidente afastado da Samarco, Ricardo Vescovi, o diretor de Operações e Infraestrutura, Kleber Luiz de Mendonça, três gerentes operacionais, 11 integrantes do Conselho Administrativo da Samarco e cinco representantes da empresa Vale e BHP Billinton responderão por crimes de inundação, desabamento e lesões corporais graves, com dolo eventual. 

Leia mais notícias no R7

A Samarco e a Vale ainda são acusadas de três crimes contra a administração ambiental. Já o MPF pediu a reperação dos danos causados às vítimas, mas não indicou o valor uma vez que deverá ser apurado pela Justiça.

Publicidade

Respostas

Por meio de nota, a Samarco informou que refuta a denúncia do MPF, que desconsiderou as defesas e depoimentos apresentados ao longo das investigações, iniciadas logo após o rompimento da barragem de Fundão, e que comprovam que a empresa não tinha qualquer conhecimento prévio de riscos à estrutura. E empresa afirmou ainda que a barragem de Fundão era regularmente fiscalizada, não só pelas autoridades como também por consultores internacionais independentes. A estabilidade da barragem foi atestada pela consultoria VogBR.

Publicidade

A BH Billinton, também por meio de nota, informou que "está ciente da declaração emitida pelo Ministério Público Federal, que apresentou denúncia criminal perante a Justiça Federal de Ponte Nova, em Minas Gerais, contra a BHP Billiton Brasil Ltda, determinados empregados e ex-empregados. Aguardamos receber notificação formal acerca desses procedimentos. A BHP Billiton Brasil repudia veementemente as acusações contra a empresa e os indivíduos denunciados e irá apresentar sua defesa contra as denúncias oferecidas, prestando também todo o suporte na defesa dos indivíduos denunciados.”

A VogBR, no entanto, disse que não vai se pronunciar.

Veja o momento exato do rompimento da barragem:

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.