Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Economista orienta empreendedores sobre vendas no Natal

O último trimestre do ano nunca esteve tão movimentado no Brasil. Com o fim da Black Friday e a eliminação da seleção na Copa do Mundo...

Portal Correio

Portal Correio|Do R7


Portal Correio
Portal Correio

O último trimestre do ano nunca esteve tão movimentado no Brasil. Com o fim da Black Friday e a eliminação da seleção na Copa do Mundo, a economia do país agora volta as atenções exclusivamente para o Natal, a data mais importante para o comércio. Porém, especialistas são cautelosos e afirmam que o momento ainda não deve superar por completo os danos da pandemia da Covid-19, já que a retomada segue a passos lentos.

Procon notifica 18 locais para cumprimento de lei sobre atendimento a pessoas com Síndrome de Down

Além das Eleições, que tomam o assunto e geram incertezas em investidores, o mercado brasileiro precisou lidar com a euforia da competição futebolística, que, pela primeira vez, deixou de ser realizada entre junho e julho por causa das altas temperaturas no Oriente Médio durante esse período.

Para o economista Horácio Forte, isso pode ter atrapalhado o desempenho das vendas. “A junção de tantas datas não é boa para o comércio. Isso significou um acúmulo de ações de vendas que antes tinham a atenção do consumidor igualmente e garantiam bons resultados, cada uma no seu período. Precisamos entender que o cliente é um só e o dinheiro dele, também”, destaca.

Publicidade

Prova disso é que as vendas da Black Friday despencaram na web. Segundo dados da Neotrust, fonte de dados e inteligência sobre o e-commerce brasileiro, o faturamento do comércio online caiu 25% em relação ao mesmo mesmo período do ano passado, despencando de R$ 5,2 bilhões para R$ 3,9 bilhões. “Além dos juros altos, a data passa por um grave problema de credibilidade no país. As pessoas não sentem mais confiança nas ofertas”, falou.

O economista ainda explica que outro ponto que tem freado o consumo é o alto nível de endividamento das famílias. “Muitos brasileiros estão com dívidas e o 13º salário, que antes servia como extra, agora é utilizado para pagar contas. Com menos dinheiro disponível, uma grande parcela da população não tem condições de participar dos amigos-secretos e fazer uma confraternização, por exemplo”.

Publicidade

De acordo com uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), o Natal deve injetar R$ 66,6 bilhões na economia brasileira. A intenção de compra, porém, apresentou uma leve queda, já que 73% pretendem dar presentes a outras pessoas neste fim de ano, ante 77% em 2021.

Com isso, Horácio alerta que ainda é hora de os empreendedores manterem as torneiras fechadas para que haja despesa apenas com o essencial até que os indicadores brasileiros apontem previsões positivas. “O momento é de conviver com o imprescindível e exige cuidado com as contas. É preciso ser austero com gastos e intolerante com desperdícios”, conclui.

Acompanhe a TV Correio na internet

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.