Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Gasto de setor investigado na Lava Jato da PM triplicou

Serviços licitados com empresas de fachada nunca foram  efetuados

São Paulo|Do R7


Camilo comandou a PM entre 2009 e 2012
Camilo comandou a PM entre 2009 e 2012

A gestão do coronel Álvaro Camilo no Comando-Geral da Polícia Militar (2009-2012) registrou alta de 211% dos gastos efetuados pelo Departamento de Suporte Administrativo (DSA), órgão no centro das fraudes investigadas na Operação Imperador, a chamada Lava Jato da PM. O montante passou de R$ 11 milhões para R$ 34,2 milhões. Já no ano em que Camilo deixou a corporação, os gastos do setor caíram para R$ 6,2 milhões, média que se mantém até hoje.

O ex-comandante-geral é hoje deputado estadual pelo PSD, partido presidido pelo ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab. Em 2008, antes de o coronel assumir o comando da PM paulista, o DSA havia consumido R$ 11 milhões. Os gastos do departamento na gestão de Camilo seriam atípicos. Segundo a Corregedoria da PM, as fraudes e os desvios no DSA podem chegar a R$ 200 milhões.

Durante parte da gestão de Camilo, o DSA era chefiado pelo tenente-coronel José Afonso Adriano Filho, que está preso e negocia delação com o Ministério Público Estadual. Na tratativa, ele tenta envolver Camilo como um dos beneficiários dos desvios, sustentando que era impossível ter agido sozinho. "Cumpri ordens do Comando-Geral", chegou a dizer em depoimento. O deputado nega.

As informações sobre a elevação dos gastos da DSA foram extraídas do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafem) do governo estadual. Responsável pela manutenção do quartel do Comando-Geral e outras unidades vizinhas, no centro da cidade, o DSA ganhou outras atribuições no período, passando a fazer licitações para peças de viaturas e reformas de outras unidades da corporação. Em 2012, essas responsabilidades foram novamente alteradas para restringir sua atuação ao quartel do comando.

Publicidade

"Os gastos do DSA geralmente são contas de água e luz, limpeza, manutenção dos prédios do comando e os anexos vizinhos", explica o coronel Benedito Roberto Meira, que comandou a PM de novembro de 2012 até janeiro de 2015. "A diferença foi que retiramos a atribuição de a DSA mexer com verba para reparo de viaturas, que representava a maior parte dos gastos, direcionando para o órgão que acreditávamos ser o mais cabível, o centro de manutenção de viaturas", afirma.

Meira diz que, quando assumiu o comando, encontrou em andamento a sindicância aberta por Camilo sobre os desvios do DSA, mas enxergou a necessidade de aprofundá-la em razão da "infinidade de irregularidades" apontadas na apuração inicial. "Era necessário que outras pessoas fossem ouvidas e o coronel (Levy) Félix conduziu essa investigação." Félix, então tenente-coronel, seria promovido a coronel e designado na sequência para ser o corregedor da PM. Foi ele quem prendeu o tenente-coronel Adriano em março deste ano.

Publicidade

A reportagem questionou Camilo sobre as mudanças de atribuições da DSA e a elevação dos gastos, agora postos sob suspeita. A Corregedoria acredita que boa parte dos serviços licitados com empresas de fachada nunca foram devidamente efetuados. Camilo não responde a essas perguntas. Em nota, reforçou que foi ele o responsável por abrir "imediatamente", em 2011, apuração do caso Adriano.

"O coronel Camilo, como comandante-geral, afastou o ex-PM de suas funções, o transferiu de unidade e a apuração iniciada por Camilo culminou na perda de posto, patente e salário do ex-oficial, que age agora por pura vingança". Em agosto, o Tribunal de Justiça Militar determinou a perda da patente de Adriano, que vai recorrer da decisão. Camilo destaca que Adriano tenta "criar ilações para obter vantagens no processo".

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.