São Paulo Governador, vice e secretários assumem cargos no Palácio dos Bandeirantes

Governador, vice e secretários assumem cargos no Palácio dos Bandeirantes

Segunda etapa da cerimônia de posse foi marcada por novos agradecimentos e a oficialização dos 32 secretários escolhidos para integras a gestão 2023-2026

  • São Paulo | Fabíola Perez, do R7

Governo de Tarcísio será composto por 32 secretarias

Governo de Tarcísio será composto por 32 secretarias

Edu Garcia/R7 - 1º.1.2023

Após tomar posse como governador do estado de São Paulo, o ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos) compareceu ao Palácio dos Bandeirantes para assumir oficialmente o cargo ao lado dos novos secretários e do vice-governador, Felicio Ramuth.

A leitura do termo de posse começou as 11h22 deste domingo (1º) para oficializar a gestão que vai comandar o maior estado do Brasil entre 2023 e 2026. Freitas começou o primeiro discurso como governador no Palácio dos Bandeirantes agradecendo familiares, políticos e autoridades paulistas.

Ele também reconheceu o apoio de secretários, parlamentares, entre eles, os do partido em que é filiado, o Republicanos. “Hoje é um dia especial, marca o início de uma caminhada. A responsabilidade é enorme só não é maior do que a motivação para fazer a diferença.”

Tarcísio Gomes de Freitas assumiu oficialmente o governo de São Paulo

Tarcísio Gomes de Freitas assumiu oficialmente o governo de São Paulo

Edu Garcia/R7 - 1º.1.2023

“Dia de dizer obrigado, gratidão a Deus por preparar nosso caminho e conduzir nossos passos sob a sua vontade”, disse. Ele também agradeceu a esposa, Cristiane Freitas. “Pessoa mais verdadeira e forte que conheci, me acompanhou na batalha contra o câncer, na Amazônia, e em todos os momentos. Sempre teve fé e ela estava certa."

Ele agradeceu e se emocionou ao citar os filhos. “A quem devo compreensão e apoio a toda essa jornada. Agradeço a minha mãe Maria Alice. É muito bom amanhecer com uma oração no WhatsApp da sua mãe.”

Tarcísio citou o ex-presidente Jair Bolsonaro. “Eu e outros técnicos chegamos ao primeiro escalão do governo federal. Cabe aqui uma outra reflexão: uma das palavras mais pronunciadas na política e pacificação, mas ela passa pela autocrítica e pelo reconhecimento dos avanços. Apesar de todas as adversidades o Brasil está crescendo”, afirmou

O governador citou o que chamou de marcos importantes no cenário econômico e destacou que Bolsonaro entrega uma “melhora fiscal, real e estrutural”. Segundo ele “o que se espera é que não haja retrocesso em quantidade de gastos”. Ele também se dirigiu ao vice Felicio Ramuth, a Guilherme Afif, e ao presidente do Republicanos, o deputado Marcos Pereira.

Tarcísio agradeceu aos paulistas e disse que a população de São Paulo “nunca perguntou” de onde ele veio. Ele ressaltou que falta saneamento e dignidade. Tarcísio prometeu a melhora nas filas dos exames eletivo é que seu governo diminuirá o “peso da burocracia”. “Entendemos o recado das urnas, vamos governar para todos”, afirmou.

Ele disse que há um “sentimento de cansaço” em relação a qualidade dos serviços públicos. “Hoje é dia de reafirmar compromissos com o desenvolvimento e a economia, nos processos de transição energética, investimentos pesados em infraestrutura", completou. Em relação as pautas de caráter social, o governador citou a realidade dos usuários de drogas na Cracolândia, no centro de São Paulo, disse que “não se pode tolerar o racismo”.

O novo governador prometeu que a administração estadual será marcada pelo diálogo “É fundamental dialogar com os outros poderes, com a imprensa, mas, sobretudo, com as pessoas. O diálogo deve ser um instrumento de edificação.” Tarcísio encerrou o discurso no Palácio às 12h02.

Secretariado

Na cerimônia foram também chamados para assinar o documento de pose os novos secretários Arthur Lima, para a Casa Civil, Gilberto Kassab, novo secretário de governo e relações internacionais, e Guilherme Afif Domingos, secretário extraordinário de assuntos estratégicos.

Na sequência, tomaram posse Antônio Junqueira de Queiroz para a secretaria de agricultura e abastecimento. Para a secretaria da fazenda e planejamento, Samuel Kinoshita foi a escolhida. Na segurança pública, Guilherme Derrote foi chamado para assinar o termo.

Para o cargo de chefe da Casa Militar, foi oficializado Hengel Pereira. Depois, Renato Feder assinou o documento para a secretaria da educação. Todos eles recebem de Tarcísio um pin simbolizando a secretaria. Para a saúde foi chamado Eleuzes Paiva. Natália Resende foi empoçada como secretária do meio ambiente, infraestrutura e logística. Para a pasta de esportes, foi chamada a coronel Helena Reis.

Para a secretaria do desenvolvimento econômico, foi empoçado Jorge Lima. Na cultura e economia criativa, Marília Marton. Marcelo Branco assumiu a pasta de desenvolvimento urbano e habitação. Nos transportes, Março Antônio Assalve foi chamado para assumir a secretaria e assinar o termo. Já na administração penitenciária, o coronel Marcelo Streifinger.

Na procuradoria geral do Estado, assume Inês Coimbra. Na sequência, Gilberto Nascimento Júnior ficou à frente do desenvolvimento social. O professor Vahan assumiu a pasta de ciência e tecnologia.

Na sequência, Marcos da Costa assumiu a pasta da pessoa com deficiência. Para o turismo e viagens, Roberto de Lucena foi convidado a assinar o termo. Depois, Sonaira Fernandes assumiu a pasta da mulher.

O início da cerimônia foi marcado pelo pedido de um minuto de silêncio pela morte de Edson Arantes do Nascimento, o Pelé. A posse na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) também contou com a homenagem ao rei do futebol.

A recepção no Palácio dos Bandeirantes é a segunda etapa da cerimônia. Minutos antes de o governador e as demais autoridades chegarem o auditório estava lotado. Assim como na Alesp, o entorno do Palácio também estava repleto de agentes para garantir a segurança do evento.

Em discurso na Assembleia Legislativa, Tarcísio fez agradecimentos e disse que vai "trabalhar na construção de consensos" e com respeito garantido às diferenças. "Estaremos prontos para a construção de ideias, de caminhos, não hesitaremos em dar passos para trás quando for necessário”, afirmou. 

O governador destacou o papel de São Paulo na economia. “Cada meta alcançada mudará realidades, transformará realidades”, disse ele ao ressaltar que o estado tem o PIB (Produto Interno Bruto) maior do que a maioria dos países da América Latina.

Tarcísio também afirma que não é possível “ficar inertes aos dependentes químicos que se amontoam nas Cracolândia” e disse que pretende acabar o que ficou pelo caminho, citando as obras do metrô, do Rodoanel, entre outras.

Eleito pelo Republicanos, o ex-ministro será o primeiro nome a comandar o estado de São Paulo a não ser um integrante do PSDB desde 1994. Para alçar ao cargo, ele derrotou Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleições com 55,27% dos votos válidos.

Últimas