São Paulo Tarcísio de Freitas toma posse como governador de São Paulo

Tarcísio de Freitas toma posse como governador de São Paulo

Eleito para comandar o estado entre os anos de 2023 e 2026 prometeu cumprir a Constituição e observar as leis

  • São Paulo | Fabíola Perez, do R7

Tarcísio de Freitas fez inúmeros agradecimentos em seu discurso de posse

Tarcísio de Freitas fez inúmeros agradecimentos em seu discurso de posse

Edu Garcia/R7 - 1º.1.2023

O ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos) tomou posse como governador de São Paulo neste domingo (1º) e vai comandar o estado ao menos até 2026. "Prometo cumprir e fazer cumprir a Constituição Federal e a do Estado e observar as leis", declarou em discurso na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo).

O presidente da Alesp, Carlos Pignatari, disse que São Paulo tem o maior parlamento da América Latina e desejou ao governador e ao vice-governador, Felicio Ramuth, sucesso na administração. “Não tenho dúvidas que vai melhorar”, afirmou.

Em seu discurso de posse, Tarcísio cumprimento o presidente da Casa, os familiares, o vice-governador, o presidente do Tribunal de Justiça, o prefeito da cidade de São Paulo, Ricardo Nunes, entre outras autoridades e lideranças políticas.

Tarcísio ainda agradeceu ao ex-presidente Jair Bolsonaro, que apostou em seu nome para comandar o ministério da Infraestrutura e, posteriormente, o incentivou a ser candidato ao governo de São Paulo. Os presidentes do Republicanos, Marcos Pereira, e do PSD, Gilberto Kassab, também foram lembrados por ele.

"Agradeço aos paulistas que acreditaram nesse projeto. É uma honra tomar posse na Assembleia Legislativa que é a casa do povo. Vamos trabalhar na construção de consensos, respeitando as diferenças. Estaremos prontos para a construção de ideias, de caminhos, não hesitaremos em dar passos para trás quando for necessário.”

O governador destacou o papel de São Paulo na economia. “Cada meta alcançada mudará realidades, transformará realidades”, disse ele ao ressaltar que o estado tem o PIB (Produto Interno Bruto) maior do que a maioria dos países da América Latina.

Tarcísio também afirma que não é possível “ficar inertes aos dependentes químicos que se amontoam nas Cracolândia” e disse que pretende acabar o que ficou pelo caminho, citando as obras do metrô, do Rodoanel, entre outras.

Eleito pelo Republicanos, o ex-ministro será o primeiro nome a comandar o estado de São Paulo a não ser um integrante do PSDB desde 1994. Para alçar ao cargo, ele derrotou Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleições com 55,27% dos votos válidos.

A posse

A movimentação na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo para a posse de Tarcísio começou por volta das 8h deste domingo (1º). Nos arredores da Casa Legislativa um forte esquema de segurança foi montado para a chegada das autoridades.

Em frente a um dos portões do prédio havia manifestantes acampados com bandeiras do Brasil e faixas. O presidente da Alesp, Carlão Pignatari (PSDB), chegou ao local da cerimônia às 8h57 para a posse. Ele desceu a rampa para receber autoridades e o governador eleito.

Ao chegar à Alesp, Tarcísio foi recebido pelos guardas de honra que acompanhavam a cerimônia o e subiu a rampa da assembleia. Já dentro da Casa Legislativa, ele foi cumprimentado por Carlão Pignatari e outros parlamentares.

Tarcísio chegou no auditório da Alesp às 9h30, acenou para a plateia e aos parlamentares. A organização do evento suspendeu o protocolo de tocar o hino nacional em função da morte de Edson Arantes do Nascimento, o Pelé. Os parlamentares fizeram ainda um minuto de silêncio em homenagem ao Rei do Futebol.

Últimas