Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Laudo pericial atesta 'esquizofrenia paranoide' de procurador que espancou chefe

O documento mostrou que Demétrios Macedo é considerado inimputável — ou seja, não pode ser responsabilizado pelo crime

São Paulo|Do R7


Gabriela Samadello foi espancada pelo colega dentro da prefeitura de Registro (SP)
Gabriela Samadello foi espancada pelo colega dentro da prefeitura de Registro (SP)

Os peritos do Imesc (Instituto de Medicina Social e Criminologia de São Paulo) atestaram que o procurador municipal Demétrius Oliveira de Macedo — que espancou a chefe, Gabriela Samadello Monteiro, dentro da prefeitura de Registro, em 20 junho de 2022 — apresenta um quadro de esquizofrenia paranoide.

De acordo com o laudo, o procurador é considerado inimputável — ou seja, não pode ser responsabilizado pelo crime cometido. Os médicos encarregados da avaliação recomendam que ele seja internado por, no mínimo, três anos.

Segundo o laudo de 17 páginas, subscrito pelos peritos Luiz Felipe Rigonatti, Patricia A. P. Cardoso e Elcio Rodrigues da Silva, a doença psiquiátrica que acomete o procurador "prejudica sua capacidade crítica e pragmatismo".

"Tais sintomas que estavam presentes à época dos fatos permitem concluir que a capacidade de entendimento encontrava-se prejudicada, enquanto a capacidade de determinação restava abolida", registra o texto.

Publicidade

O documento, elaborado a pedido do juízo da 1ª Vara Judicial de Registro, no Vale do Ribeira, a 190 quilômetros da capital paulista, foi juntado na terça-feira (14), ao processo a que o procurador responde por tentativa de feminicídio. A perícia foi realizada no dia 12 de dezembro de 2022.

As agressões cometidas por Demétrius se deram no dia 20 de junho de 2022 e foram registradas em vídeo.

Publicidade

Nas imagens, ele derruba a procuradora-geral de Registro, dá socos e pontapés nela e ainda a chama de "vagabunda" e "puta". Outras servidoras tentaram conter o procurador. Uma delas acabou empurrada com violência contra uma porta.

Demétrius foi preso dias depois, ao ser localizado em uma clínica de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo. No mesmo dia, ele foi denunciado pelo Ministério Público estadual por tentativa de feminicídio, injúria e coação no curso do processo.

Publicidade
Demétrius foi preso em junho de 2022
Demétrius foi preso em junho de 2022

Os promotores de Justiça Ronaldo Pereira Muniz e Daniel Porto Godinho da Silva narraram que o procurador, com "evidente intento homicida, tentou matar" Gabriela, "por intermédio de violentos golpes desferidos principalmente contra a cabeça" da chefe, "apenas não se consumando o delito por circunstâncias alheias à vontade do agente".

Aos médicos responsáveis pelo laudo psiquiátrico Demétrius falou sobre o dia do crime. Segundo ele, na ocasião, Gabriela conversava com um outro servidor,"dizendo para prestar outros concursos". O procurador disse ter achado "que a conversa era para ele, que ele não era bem-vindo no ambiente".

"Então sentiu muita raiva e a agrediu", descreve o laudo. "Uma outra funcionária os separou, mas ainda estava com muita raiva, se desvencilhou e a agrediu de novo. Parou de a agredir sozinho, não sabe o motivo. Começou a dizer palavrões."

Segue o laudo: "Acredita que estava sendo vítima de assédio moral. Já tinha feito denúncia ao prefeito, que não tomou nenhuma atitude. A noiva dizia para ele se concentrar no trabalho. Achou que a agressão seria uma forma de resolver o problema. Acredita que agiu de forma instintiva para se defender".

O procurador ainda disse aos médicos que agora "entende que foi um equívoco, [...] mas não sente que deveria estar em tratamento médico, hoje ou à época". Atualmente, o procurador está custodiado no Centro de Detenção Provisória de Taiúva, no interior de São Paulo. Lá, ele faz uso de medicações diariamente. Aos peritos que o avaliaram, o procurador disse "não ter nenhum transtorno mental".

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.