Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Prefeitura de SP registra boletim de ocorrência após vacinação de Bolsonaro aparecer em sistema

A PF investiga possíveis adulterações nos documentos do ex-presidente, da ex-primeira-dama e da filha mais nova do casal

São Paulo|Do R7


Casa de Jair Bolsonaro foi alvo de mandado de busca e apreensão na quarta-feira
Casa de Jair Bolsonaro foi alvo de mandado de busca e apreensão na quarta-feira

A prefeitura de São Paulo registrou um boletim de ocorrência por falsidade ideológica, em 9 de janeiro, após verificar que consta no sistema de saúde que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) tomou uma dose de vacina contra Covid-19 na UBS (Unidade Básica de Saúde) Parque Peruche, na zona norte da capital. A informação foi divulgada pelo G1 e confirmada pelo R7.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

De acordo com o registro no Vacivida, o sistema online de controle de vacinação do governo estadual, em 19 de julho de 2021, Bolsonaro teria recebido uma dose da Janssen, que foi validada pelo Ministério da Saúde.

O CPF utilizado no cadastramento, de fato, também pertence ao político. Na época, o certificado de vacinação pelo sistema ConectSUS foi emitido. O processo ocorre de forma automática.

Publicidade

Entretanto, segundo o boletim de ocorrência, ao qual a reportagem teve acesso, "foi feito o rastreamento do lote e verificado que o município de São Paulo não recebeu o lote acima mencionado e a profissional registrada como suposta vacinadora nunca trabalhou na referida unidade de saúde". A prefeitura também alega nunca ter realizado o atendimento do ex-presidente. 

"Por se tratar de uma ocorrência envolvendo um órgão federal e por já existir uma investigação em curso pela Controladoria Geral da União, a Polícia Civil solicitou à Justiça que o caso fosse remetido à Polícia Federal, sendo o pedido deferido em 27 de março", informou a SSP (Secretaria de Segurança Pública) por meio de nota.

Publicidade

Procurada, a assessoria de imprensa do ex-presidente não retornou até a publicação da reportagem. Na quarta-feira (3), Bolsonaro afirmou que não existe adulteração por parte dele no documento de vacinação e reforçou não ter tomado o imunizante por "decisão pessoal".

A casa do ex-presidente foi alvo da Polícia Federal durante uma operação para investigar a atuação de uma associação criminosa que inseria dados falsos de vacinação nos sistemas SI-PNI e RNDS do Ministério da Saúde.

A PF também apura possíveis adulterações nos documentos da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro, da filha mais nova do casal, Laura, do deputado federal Guttemberg Reis (MDB-RJ), do tenente-coronel Mauro Cid e da filha dele.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.