Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Sabesp reduz mais a pressão, e moradores apontam falta de água

A diminuição da vazão de água, que antes começava às 23h, agora é feita a partir das 21h por causa da escassez hídrica

São Paulo|Do R7


Sabesp reduz mais a pressão, e moradores apontam falta de água
Sabesp reduz mais a pressão, e moradores apontam falta de água

A Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) ampliou o horário de redução da pressão da água na região metropolitana de São Paulo. A diminuição da vazão de água, que antes começava às 23h, agora é feita a partir das 21h. Às 5h, o fornecimento é normalizado. Em casas sem caixa-d'água, especialmente em locais mais altos e distantes, a redução acaba se transformando em interrupção do abastecimento de água.

O superintendente da Metropolitana Centro da Sabesp, Roberval Tavares de Souza, diz que a prática de reduzir a pressão da água existe desde 1996. Segundo Souza, a Sabesp passou a reduzir a pressão mais cedo e por mais tempo para "preservar os sistemas de abastecimento de água", por causa da escassez hídrica.

O Brasil enfrenta uma forte crise hídrica que está tendo reflexos no abastecimento de energia. Apesar disso, Souza afirma que não há riscos de faltar água potável no estado de São Paulo neste ano. "Temos água acumulada de maneira satisfatória para todo o período", diz. Segundo o superintendente, o nível das represas está em 39%, o que é considerado normal para a época.

Leia também

Ele também nega que a Sabesp esteja racionando água e menciona um estudo feito pela empresa que mostra que reduzir a pressão a partir das 21h não prejudicaria o consumidor. No entanto, não é isso que está sendo visto em diferentes bairros da cidade de São Paulo.

Publicidade

Laryssa da Silva, moradora de Paraisópolis, diz sofrer com a falta de água durante a noite há muito tempo. Nos últimos dias, o problema piorou, porque começa mais cedo. "A partir das 21h30, a água é reduzida a um ponto em que não dá mais para tomar banho, porque pode queimar o chuveiro. Às 22h, já não tem água nenhuma", conta.

Ela costuma estocar água em baldes e garrafas durante o dia para alguma emergência, mas às vezes a água corrente é indispensável. Nesta segunda-feira, por exemplo, sua filha Lorena, de 3 anos, estava com febre alta à noite, e não havia água na casa para que Laryssa pudesse dar banho frio na menina. "Precisei ir à AMA [Assistência Médica Ambulatorial], porque a febre não baixava. Lá, a primeira coisa que me mandaram fazer foi dar banho nela", diz.

Publicidade

Graziele Santos, que também mora em Paraisópolis, conta que sofre com o mesmo problema há anos. "Só piora. Agora eles desligam a água às 20h, e o trabalhador que chega em casa às 21h não pode tomar um banho", reclama. Segundo ela, antes a interrupção no abastecimento começava só na madrugada.

Em Guaianases, na zona leste de São Paulo, duas moradoras dizem que também vivenciam a falta de água. Na casa de Cláudia Silva, o problema acontece todos os anos nessa mesma época. Desta vez, a água começou a escassear há cerca de três semanas. Ele conta que a partir das 23h não consegue fazer atividades básicas como tomar banho e escovar os dentes. "Geralmente a gente guarda água durante o dia, para não ficar totalmente sem", diz.

Publicidade

Para Maria Lima, o desabastecimento de água já dura cerca de dois meses. As torneiras ficam secas todos os dias a partir das 21h. Ela precisa mudar alguns elementos da rotina da casa, como o horário das refeições, para ter água suficiente para lavar a louça. O problema, segundo ela, se repete na casa de vizinhos.

Mirella de Stefano, que mora na Consolação, começou a enfrentar o problema há cerca de duas semanas, após uma manutenção na caixa-d'água do prédio onde mora. "Com o horário atual de fornecimento da Sabesp, não dá tempo de encher a caixa", diz. Dessa forma, os moradores ficam desabastecidos durante a noite e até em alguns momentos do dia. Para driblar o problema, eles têm de guardar água para cozinhar, usar o banheiro e tomar banho.

Líderes comunitários dos bairros do Butantã, da Barra Funda e do Alto de Pinheiros disseram ao Estadão que receberam reclamações de moradores sobre a falta de água. O site da Sabesp mostra que há redução da pressão entre 21h e 5h em todos os locais mencionados na reportagem.

Mais prejudicados

Tavares de Souza diz que moradores com caixa-d'água adequada não percebem a redução da pressão porque o reservatório é suficiente para dar conta da demanda noturna. Apesar de ser um item essencial, a caixa-d'água não está presente em todas as casas.

A Sabesp tem um programa de doação de caixas-d'água para a população de baixa renda. Os moradores podem solicitá-las ligando para o número 195. A companhia vai até o local, analisa a situação e, se for o caso, entrega o reservatório.

A Sabesp também diz, em nota oficial, que o registro de reclamações por falta de água caiu 13,6% entre janeiro e julho deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado. O número representa 0,046% dos 28,5 milhões de clientes. "A Sabesp informa que a gestão de pressão noturna ocorre da mesma forma em toda a região metropolitana de São Paulo, no horário das 21h às 5h, exceto em alguns setores onde isso é tecnicamente inviável", informa. 

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.