São Paulo 'Nenhum pai acha que vai ter filho agressor': controle rígido do acesso à internet pode evitar tragédias

'Nenhum pai acha que vai ter filho agressor': controle rígido do acesso à internet pode evitar tragédias

Especialistas afirmam que o monitoramento online da família é uma importante medida preventiva contra ataques a escolas

Cartazes em homenagem à aluna Giovanna Bezerra, que morreu após levar um tiro na Escola Estadual Sapopemba

Cartazes em homenagem à aluna Giovanna Bezerra, que morreu após levar um tiro na Escola Estadual Sapopemba

EDI SOUSA/ATO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - 23.11.2023

O Brasil registrou nove ataques a escolas só neste ano, o que resultou na morte de oito alunos, entre 4 e 17 anos, e de uma professora, de 71. Segundo especialistas ouvidos pelo R7, o primeiro passo, antes mesmo dos investimentos em segurança, e da realização de protocolos ou de projetos de conscientização, é a supervisão rígida dos pais, principalmente no acesso à internet.

Segundo o delegado Carlos Afonso Gonçalves da Silva, responsável pela Divisão de Crimes Cibernéticos da Polícia Civil, saber o que crianças e adolescentes veem online é uma "medida preventiva" essencial.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

Giovanna Bezerra, estudante morta em ataque a escola

Giovanna Bezerra, estudante morta em ataque a escola

Reprodução/Arquivo pessoal

No último ataque deste ano, ocorrido na Escola Estadual Sapopemba, na zona leste de São Paulo, o adolescente que matou a aluna Giovanna Bezerra, de 17 anos, com um tiro na cabeça, havia comentado sobre o plano com colegas em um grupo de mensagens. Segundo a polícia, há indícios de que ele teve apoio, inclusive, de moradores de outros estados.

"Quem tem que perceber primeiro são os pais. É possível fazer esse controle do acesso à internet por forma remota. É melhor que eles vejam e auxiliem o filho do que chegar ao ponto de ocorrer essas tragédias. Com certeza, isso pesa na consciência dos pais", ressalta.

Ana Paula Siqueira, advogada, professora e criadora da única pós-graduação do Brasil sobre cyberbullying aprovada pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura), pontua que "não existe direito de privacidade entre pais e filhos menores de idade".

"Algumas redes sociais e jogos com chat trazem a dopamina, que vai profundo no cérebro. As pessoas ficam viciadas. Jovens que estão passando por algum tipo de problema acabam ficando mais vulneráveis, são influenciados... Nenhum pai acha que vai ter filho agressor", completa.

Clique aqui e relembre os principais ataques a escolas e creches em 2023

Últimas