Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

'As pessoas não valorizam o sono', diz médica especialista no tema

Tomar remédios ou dormir menos horas do que o necessário são algumas características do momento atual da sociedade

Saúde|Fernando Mellis, do R7

Uso de telas antes de dormir é uma das causas da insônia
Uso de telas antes de dormir é uma das causas da insônia Uso de telas antes de dormir é uma das causas da insônia

Ao dormir menos horas que o necessário ou recorrer a remédios para forçar o sono, milhões de brasileiros põem a própria saúde em risco.

O aumento de 676% das vendas de zolpidem nos últimos dez anos, mostrado pelo R7 nesta segunda-feira (28), é um fator de alerta, considera a neurologista Giuliana Macedo Mendes, presidente da Regional Centro-Oeste da ABS (Associação Brasileira do Sono).

"O zolpidem é rápido para induzir o sono, ele é um sedativo, é um sono químico, não é um sono natural da pessoa", adverte a médica. 

Leia também: O que é o zolpidem, remédio para insônia que se popularizou nos últimos anos

Publicidade

O crescimento do consumo de medicamentos para dormir é apenas um ingrediente em uma sociedade que não se importa como deveria com o sono.

"As pessoas não valorizam o sono, acham que dormir é perda de tempo, têm maus hábitos, invadem o horário do sono...", afirma a especialista.

Publicidade

A ABS estima que cerca de 73 milhões de brasileiros sofram com insônia, mas não se trata de um único problema com uma única solução.

"Cada um tem uma insônia particular. [...] A grande maioria dos pacientes tem maus hábitos que fazem perpetuar a insônia ao longo da vida", pontua Giuliana.

Publicidade

O zolpidem ou qualquer outro medicamento estão longe de ser o tratamento de primeira linha para a insônia, mas são poucas as pessoas que entendem isso.

"O caminho mais fácil é tomar o remédio, o mais difícil é mudar os hábitos. [...] O ser humano quer o caminho mais fácil. O principal tratamento, padrão-ouro, que mais tem evidência científica, é terapia comportamental para insônia, não é medicamento. Se você não fizer o tratamento comportamental, que envolve mudança de hábitos de vida e várias questões, inclusive com tratamento psicológico associado ao sono, não sairá da insônia crônica", explica a neurologista.

O uso excessivo de telas, como celular, TV e computador, e o consumo de cafeína, álcool e nicotina estão entre os vilões do sono.

O resultado vai ser maior dificuldade para adormecer, um sono de pior qualidade, despertares mais frequentes durante a noite e uma sensação de cansaço no dia seguinte.

Quando dormimos poucas horas por meses ou anos — o ideal é entre 7 e 9 horas por noite —, a tendência é que haja prejuízos à saúde.

"A privação do sono crônica que a insônia provoca, e outras doenças do sono também, ela aumenta o risco cardiovascular em até cinco vezes. Paciente que dorme menos vive menos, tem mais risco de infarto, AVC [acidente vascular cerebral], arritmia, hipertensão, diabetes, de câncer, porque diminui a imunidade [neste último caso]", salienta Giuliana.

Médicos precisam conhecer o problema

A principal avaliação da representante da Associação Brasileira do Sono é a de que são poucos os médicos que entendem a fundo a insônia.

Ela aposta que a capacitação dos profissionais da saúde é fundamental para uma abordagem do problema que, de fato, melhore a vida das pessoas.

"Os médicos não têm formação dentro da faculdade de medicina sobre medicina do sono", lembra a médica ao salientar que essa é uma área de estudo relativamente nova. 

Com objetivo de disseminar mais informações sobre distúrbios do sono e tratamentos, começa nesta semana o 14º Congresso Brasileiro do Sono — de 30 de novembro a 3 de dezembro, em Goiânia.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.