Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Cerca de 26 mil americanos processam farmacêutica por atraso de medicação para HIV

Segundo o The New York Times, a empresa Gilead Sciences parou o desenvolvimento de remédio para aumentar os lucros da patente

Saúde|Do R7


Farmacêutica teria atrasado desenvolvimento de medicação
Farmacêutica teria atrasado desenvolvimento de medicação

Aproximadamente 26 mil pessoas estão processando a farmacêutica Gilead Sciences por supostamente ter atrasado o lançamento de um medicamento promissor para o HIV em uma década, para maximizar os lucros da empresa. As informações são do site do The New York Times. 

De acordo com o jornal, em 2004, a empresa decidiu interromper as buscas pelo desenvolvimento de um novo tratamento para a doença, sob o pretexto de que não haveria maiores diferenças quanto aos remédios que já existiam no mercado. À época, a farmacêutica detinha a patente dos dois principais medicamentos para o HIV, ambos à base do tenofovir.

O primeiro dos registros perderia a proteção em 2017, quando outras empresas poderiam fornecer versões genéricas. 

Segundo o The New York Times, o medicamento que "teria sido interrompido" em 2004 era potencialmente menos tóxico aos pacientes, por causar menos efeitos colaterais aos rins e aos ossos dos pacientes.

Publicidade

A Gilead teria entendido, então, que esse novo tratamento poderia competir com as outras formulações da empresa e, assim, com o atraso no lançamento da nova droga, poderia ter por mais tempo os direitos sobre um de seus remédios, transferindo seus consumidores para a nova alternativa e mantendo os lucros. 

• Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

• Compartilhe esta notícia no Telegram

O novo remédio foi lançado em 2015, dois anos antes do fim da patente do primeiro medicamento com base no tenofovir, e seus direitos se estenderão até 2031, quando outras farmacêuticas poderão vender a fórmula, com preços mais baixos. 

Publicidade

Sob ameaças judiciais nas esferas estaduais e federais, os advogados da Gilead negam que a empresa tenha atrasado o desenvolvimento da droga para aumentar os lucros da empresa, e citaram, ainda, que a farmacêutica poderia ter aumentado sua receita em 1 bilhão de dólares se tivesse lançado a medicação em 2008.

Leia também

Sentindo-se lesados, os 26 mil pacientes alegam que as decisões da empresa os expuseram desnecessariamente a problemas ósseos e renais, quando o novo medicamento minimizaria esses riscos. 

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.