Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Dor por carregar mochila pesada é frequente em crianças

Organização Mundial da Saúde afirma que 70% dos problemas de coluna que aparecem na idade adulta têm origem no peso das mochilas na infância

Saúde|Brenda Marques, do R7


Mochila pesada puxa as costas das crianças para trás e acentua todas as curvas da coluna, diz ortopedista
Mochila pesada puxa as costas das crianças para trás e acentua todas as curvas da coluna, diz ortopedista

A volta às aulas se aproxima. Além da compra de materiais escolares, os pais precisam ficar atentos ao peso, ao modelo da mochila e se ela está adequada ao tamanho da criança.

Casos de crianças com dores nas costas por carregar as malas são comuns nos consultórios médicos, embora estudos sobre o tema sejam controversos, afirma o ortopedista pediátrico David Nordon.

“Atendi uma criança hoje com dor nas costas por causa da mochila. Ela já estava com o problema há um tempo, mas os pais adiaram a consulta por causa das férias”, conta.

“Na clínica a gente vê muitas reclamações de dor por carregar a mala pesada, então, na prática, existe uma associação. Mas alguns estudos fazem essa associação e outros não”, completa.

Publicidade

Entretanto, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), aproximadamente 70% dos problemas de coluna que surgem na fase adulta estão relacionados ao excesso de peso carregado nos anos escolares.

Leia também: Dor nas costas pode ser sintoma de doença reumática crônica. Entenda

Publicidade

Nordon esclarece mala pesada puxa as costas das crianças para trás e acentua todas as curvas da coluna.

“O recomendado é que a mochila não ultrapasse 10% do peso corporal”, ressalta. Assim, se a criança pesa 30 kg, sua mochila deve ter, no máximo, 3 kg.

Publicidade

“Alguns estudos mostram que passar desse limite gera um deslocamento do centro de gravidade do corpo. Assim, a criança não fica em uma posição natural, o que pode causar dores”, explica.

O especialista também alerta para as dores causadas por carteiras escolares irregulares. “Elas não são feitas para comportar as crianças de forma adequada”, afirma.

“Os adolescentes estão na puberdade, então o tamanho entre eles varia muito. Em cada sala pode ter uma diferença de 10 cm na altura dos alunos. Nem todos cabem na carteira escolar e vão ter mais dores por isso”, observa.

As regras de segurança para móveis escolares estão estabelecidas na norma 14006 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

Como evitar problemas

Para evitar que a criança fique sobrecarregada, a dica é levar apenas o necessário para aquele dia dentro da bolsa e não carregar em um ombro só. O modelo usado também pode prevenir complicações.

“A mais indicada é a mala de rodinha, mas o puxador deve estar bem ajustado, de modo que a criança fique com os ombros nivelados”, destaca o médico.

Há também a opção de usar uma mochila com três pontos de apoio: um em cada ombro e na cintura. “Há uma que prende na barriga, então distribui o peso entre os dois ombros e a lombar”, recomenda.

O ortopedista ressalta que as alças das mochilas devem ser largas, mas compatíveis com o tamanho da criança. O ideal é que a mala fique na altura da cintura. “Se ficar muito baixa, vai puxar mais as costas da criança”.

De acordo com ele, o excesso de peso nas mochilas não causa escoliose – curvatura lateral da coluna.

“O que pode acontecer é sentir dores, problemas de degeneração só aparecem no longo prazo, quando a pessoa está mais velha”, esclarece.

Como garantir uma saúde de ferro para seu filho, segundo pediatra:

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.