Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Vítima da poliomielite vive há mais de 50 anos com os efeitos da doença: 'Dor física e emocional'

Ryvia Ferraz contraiu o vírus quando tinha apenas 9 meses e agora faz apelo aos pais para que vacinem seus filhos contra a pólio

Saúde|Yasmim Santos*, do R7


Ryvia Rose Ferraz Bezerra, de 51 anos, é um exemplo vivo da gravidade da poliomielite. Quando tinha apenas 9 meses, em 1971, contraiu o poliovírus e desenvolveu sequelas graves, com as quais tem de lidar até hoje.

"Naquela época não acontecia como hoje, não tínhamos o SUS, as vacinas vinham em campanhas específicas. [Mas] eu nasci em Maceió, no Nordeste, onde toda essa questão de saúde era bem precária. Quando havia as campanhas de vacinação, geralmente eu estava com algum impedimento — febre ou vômito — e não podia vacinar. Quando eu ficava bem de saúde, não havia vacinas disponíveis. E nessa questão de chegar ao posto de saúde e não ter vacina e, quando tinha, eu não podia tomar, que foi bem no pico da poliomielite, eu acabei contraindo", lembra a, agora, médica do trabalho.

Ryvia contraiu o vírus da pólio quando estava aprendendo a andar
Ryvia contraiu o vírus da pólio quando estava aprendendo a andar

Naquela fase, Ryvia ainda estava aprendendo a caminhar e, quando começou a apresentar dificuldades para permanecer em pé e a ficar com a perna direita flácida, a mãe dela procurou ajuda especializada e recebeu o diagnóstico.

Também chamada de paralisia infantil, a poliomielite é uma doença contagiosa aguda causada pelo poliovírus, que vive no intestino. Nos casos graves, podem ocorrer paralisias musculares, principalmente nos membros inferiores e de forma assimétrica (uma das pernas).

Publicidade

"É uma doença que afeta os nervos, afeta a motricidade. O cérebro manda uma mensagem através da medula, e da medula saem nervos que comandam os músculos — que levam força e trazem sensibilidade. Na poliomielite, existe um comprometimento [dos nervos] de motricidade; então esses pacientes têm a sensibilidade preservada, mas não conseguem mexer os membros", explica o médico fisiatra e ortopedista Paulo Henrique Gomes Mulazzani.

Segundo o especialista, não são todas as pessoas que manifestam a doença; "ela pode ser assintomática", mas aquelas que a apresentam podem "ficar com sequelas para a vida inteira, como foi o caso dessa paciente [Ryvia]".

Publicidade

Da década de 1970 para cá, Ryvia passou por 14 cirurgias e diversas tentativas de conviver bem e com autonomia mesmo com as sequelas da doença. O primeiro procedimento aconteceu quando ela tinha 3 anos.

"Foram momentos de bastante dor emocional e física e de enfrentamento de preconceitos", lamenta Ryvia.

Publicidade

Durante a infância, em específico, ela fez várias cirurgias. "Enquanto todo mundo estava brincando, correndo, eu estava com a perna imobilizada, sentindo dor. Teve uma fase do ensino médio que eu ia de cadeira de rodas, para não perder aula. Mas era muito sacrificante."

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Compartilhe esta notícia no Telegram

Apesar disso, por sorte, Ryvia nasceu e foi criada "em uma família que me deu sempre muito suporte, me fez participar de tudo o que era possível. Então eu fui uma criança que, com toda essa sequela, aprendeu a andar de bicicleta e a dirigir um carro mecânico".

Essa sorte, porém, pode não se repetir com as crianças desta geração que ainda não se vacinaram contra a poliomielite.

Segundo dados do DataSUS, 47,6% delas ainda não tomaram o imunizante. A região Norte e a Sudeste acumulam as menores taxas, com uma cobertura vacinal de 47,66% e 51,60%, respectivamente.

Vale ressaltar que a meta de cobertura estipulada pelo Ministério da Saúde é superior a 95%.

Durante a sétima edição do ISI (International Symposium on Immunobiologicals), a presidente da Câmara Técnica de Poliomielite do Ministério da Saúde, Luiza Helena Falleiros, destacou o risco que o Brasil corre.

"Com o processo de imigração constante, com baixas coberturas vacinais, a falta da continuidade do uso da vacina oral, o saneamento inadequado, os grupos antivacinas e a falta de vigilância ambiental, vamos ter o retorno da pólio. O que é uma tragédia anunciada", afirmou.

Leia também

A doença foi erradicada do país em 1989, após diversos surtos que resultaram, de acordo com dados do Ministério da Saúde, em 26 mil casos de infecção pelo poliovírus.

Apesar de não circular mais no Brasil, a poliomielite ainda é endêmica no Paquistão e no Afeganistão. Recentemente, foi registrado um caso da doença em um bebê indígena de Loreto, no Peru, a 500 km da fronteira do país com os estados do Amazonas e do Acre.

Por essa razão, autoridades do Amazonas intensificaram a vacinação contra a doença na região — já que essa é a única forma de prevenir a poliomielite. Mas isso deve ocorrer em todo o país.

"O Brasil não tem apresentado casos, se tornando um país livre da doença, por causa das campanhas de vacinação em massa. Se a população parar de vacinar, pode vir [a ter]", alerta Mulazzani.

No caso de Ryvia, mesmo lidando de forma otimista com as sequelas, ela deixa claro que "o melhor é prevenir [a poliomielite], melhor seria que nada disso fosse preciso".

A médica tem de, constantemente, se adaptar aos efeitos da doença. Apesar de a poliomielite ter atingido a perna direita, a sobrecarga também acarretou danos à perna esquerda e à coluna. Segundo ela, o joelho da perna sem sequela "já estava tão danificado que estava a ponto de [precisar] colocar uma prótese".

Para evitar essa situação, ela passou a usar bengala e órtese há cerca de cinco anos.

A órtese ajuda Ryvia a conseguir mais autonomia diante da sequela
A órtese ajuda Ryvia a conseguir mais autonomia diante da sequela

Em 2022, ela começou a usar uma órtese de alta tecnologia, a C-Brace, que abrange joelho, tornozelo e pé.

De acordo com a médica, ela adquiriu mais conforto, estabilidade e segurança com o modelo e, agora, até consegue descer escada.

"Pela primeira vez na vida, eu consegui sentir o que é caminhar como vocês caminham. Eu nunca tive isso. Eu nunca tive a sensação de uma marcha funcional, sempre claudiquei, manquei. Eu tenho uma diferença muito grande de uma perna para outra, quase 6 cm, é muita coisa. Isso me levava a uma marcha muito difícil, desconfortável, fora todos os problemas de coluna", relata Ryvia.

"Esse equipamento [a órtese] lê por computador que você está caminhando e libera o joelho para você dar o passo e, quando você coloca o pé em uso da órtese no chão, ele trava. Então, dá muita segurança", complementa o especialista.

Hoje, Ryvia consegue manter uma vida o mais perto possível da normalidade, mantém-se ativa no trabalho, dá aulas e canta em um coral. Porém, como profissional da saúde e paciente, ressalta a importância da vacinação.

"Temos a erradicação da poliomielite graças, exatamente, à vacina e não queremos que isso volte. Queremos que as nossas crianças continuem saudáveis. Então fica aqui a minha palavra: pais, vacinem, sim, os seus filhos. O vírus ainda circula", alerta Ryvia.

"Uma criança não cria capacidade de decidir a vida dela, ela precisa da decisão paterna. A vacina sempre foi muito segura, a prevenção da maior parte das doenças é a grande solução", finaliza Mulazzani.

* Sob supervisão de Fernando Mellis

Brasil tem 6 hospitais na lista dos melhores do mundo; saiba quais são

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.