Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Tecnologia e Ciência
Publicidade

Facebook anuncia integração entre WhatsApp, Messenger e Instagram

Mark Zuckerberg afirma que irá priorizar a segurança e a privacidade dos usuários da rede social, após escândalos de vazamentos de dados

Tecnologia e Ciência|Pablo Marques, do R7, com EFE


Mark Zuckerberg anuncia a integração entre WhatsApp, Messenger e Instagram
Mark Zuckerberg anuncia a integração entre WhatsApp, Messenger e Instagram

O presidente executivo e fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou na quarta-feira (6) que o WhatsApp, o Facebook Messenger e as mensagens via Instagram Direct serão integradas. 

Leia também

“As pessoas querem poder escolher qual serviço utilizar para se comunicar. Hoje, entretanto, se você quiser enviar uma mensagem para alguém no Facebook, é preciso usar o Messenger. No Instagram, é necessário o Direct. No WhatsApp, é preciso que a outra pessoa também tenha o app. Queremos dar às pessoas a chance de escolher. Sendo assim, elas podem falar com seus amigos de todas as redes sociais utilizando qualquer aplicativo que preferirem”, afirmou Zuckerberg em um comunicado.

O executivo indicou que este processo se materializará "nos próximos anos" e que se construirá sobre seis princípios: interações privadas, sistemas de encriptação, redução da permanência online das publicações compartilhadas, segurança, interoperabilidade e armazenamento seguro de dados.

Os rumore de que os três serviços de mensagens seriam integrados começaram quando o jornal New York Times publicou uma matéria no início deste ano. 

Publicidade

Recuperando a imagem

A aposta em remodelar a rede social é divulgada depois de um ano, 2018, no qual a empresa se viu abalada por vários escândalos relacionados com sua gestão da privacidade dos dados dos usuários, que mancharam consideravelmente sua imagem pública.

A maior polêmica que teve que enfrentar começou em março do ano passado, quando foi revelado que a empresa de consultoria britânica Cambridge Analytica utilizou um aplicativo para compilar milhões de dados de usuários da plataforma sem o seu consentimento e com fins políticos.

Publicidade

A empresa se serviu de dados da rede social para elaborar perfis psicológicos de eleitores, que supostamente venderam à campanha do agora presidente americano, Donald Trump, durante as eleições de 2016, entre outros.

Meses mais tarde, em outubro, o Facebook admitiu também que hackers roubaram dados pessoais de 30 milhões de contas.

Veja também: 

Site apavorante cria rostos de pessoas que nunca existiram

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.