Temer envia ao Congresso projeto que elimina multa adicional em casos de demissão sem justa causa 

Firma repassa 10% sobre o saldo do FGTS ao governo e 40% a mais para o trabalhador

Proposta divulgada em dezembro previa corte de um ponto porcentual por ano Leonidas Cardoso/14.02.2017/Photo Press/Folhapress

O presidente Michel Temer encaminhou ao Congresso Nacional projeto de lei que "altera a Lei Complementar nº 110, de 29 de junho de 2001, para eliminar gradualmente a multa adicional da contribuição social devida pelos empregadores em caso de despedida de empregado sem justa causa".

A mensagem de envio da matéria está publicada no DOU (Diário Oficial da União) desta sexta-feira (17).

Conforme o governo divulgou em dezembro, a intenção é promover uma redução gradativa da multa de 10% do FGTS que as empresas são obrigadas a pagar em casos de demissão sem justa causa. Isso para que não haja impactos no fundo.

A proposta divulgada em dezembro previa corte de um ponto porcentual por ano, durante dez anos. Com isso, segundo o governo, a medida ajuda a diminuir os custos indiretos dos empresários, o que terá efeito positivo sobre o caixa das empresas.

Veja 20 respostas sobre o saque do FGTS

O que você precisa fazer para sacar o dinheiro do FGTS inativo

Vale lembrar que a medida vale apenas para o percentual que a empresa paga para engordar o FGTS. A conta do trabalhador contratado com carteira assinada não é impactada. Portanto, em caso de demissão sem justa causa, a empresa é obrigada a pagar 40% de multa sobre o saldo para fins rescisórios do FGTS para o empregado dispensado.

  • Espalhe por aí:

Twitter

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!