Brasil Filtrar classe social para dar auxílio não é papel da Caixa, diz presidente

Filtrar classe social para dar auxílio não é papel da Caixa, diz presidente

Jornal "Valor Econômico" publicou reportagem nesta quarta-feira (3) mostrando que foram aprovados auxílios para famílias de classe A e B

Reuters

Reprodução/Caixa

SÃO PAULO (Reuters) - Identificar a classe social de quem pede o auxílio-emergencial de 600 reais não é papel da Caixa Econômica Federal, disse o presidente do banco estatal que coordena a distribuição do benefício do governo federal dirigido a famílias de baixa renda.

"Isso não é papel da Caixa", disse Pedro Guimarães durante apresentação pelo canal do banco na internet nesta quarta-feira (3).

A afirmação veio após o jornal "Valor Econômico" ter publicado mais cedo o resultado de um estudo mostrando que um terço das famílias das classes A e B pediu o auxílio emergencial e que 69% dos pedidos foram aprovadas, o que equivale a cerca de 3,9 milhões de lares com maior renda.

Bolsonaro fala em liberar mais parcelas do auxílio emergencial

De acordo com Guimarães, 107 milhões de pessoas se cadastraram para receber auxílio-emergencial, criado pelo governo para tentar aliviar os efeitos econômicos das medidas de isolamento social para combater a pandemia do coronavírus.

Desse universo submetido à Dataprev, empresa pública vinculada ao Ministério da Economia responsável pelo processamento dos pedidos, quase 60 milhões deles se enquadraram nas regras, enquanto cerca de 39 milhões tiveram o pedido negado.

Para o executivo, o papel do banco é evitar ao máximo as fraudes bancárias e, nisso, a Caixa está sendo bem-sucedida.

"O nível de fraudes na Caixa envolvendo o auxílio emergencial é próximo de zero", disse Guimarães.

Últimas