Morte de negro em supermercado é crime “bárbaro”, diz Gilmar Mendes

Homem foi espancado até a morte em supermercado de Porto Alegre, na véspera do Dia da Consciência Negra, celebrado nesta sexta-feira (20)

Gilmar Mendes sobre assassinato de homem negro: "bárbaro"

Gilmar Mendes sobre assassinato de homem negro: "bárbaro"

Fellipe Sampaio/SCO/STF - 29.04.2020

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes disse nesta sexta-feira (20) ser “escandalosa” a notícia do assassinato “bárbaro” de um homem negro em um supermercado de Porto Alegre, em pleno Dia da Consciência Negra, celebrado hoje.

Leia mais: Mulher da vítima viu tudo, diz testemunha de espancamento

“O Dia da Consciência Negra amanheceu com a escandalosa notícia do assassinato bárbaro de um homem negro espancado em um supermercado. O episódio só demonstra que a luta contra o racismo e contra a barbárie está longe de acabar. Racismo é crime!”, escreveu o ministro em sua conta oficial no Twitter.

Veja também: 'Esperamos por justiça', diz pai de homem negro morto em mercado

O ministro se referiu à notícia de que na quinta-feira (19), na véspera do Dia da Consciência Negra, celebrado hoje (20), um homem negro, de 40 anos de idade, foi espancado até a morte no supermercado Carrefour de um bairro da zona norte de Porto Alegre. Um vídeo que mostra a cena causa grande repercussão nas redes sociais.

Nesta sexta-feira (20), sem citar o crime, outros ministros do Supremo também se manifestaram por ocasião do Dia da Consciência Negra, entre os quais o presidente da Corte, Luiz Fux, e Luís Roberto Barroso, também presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

“O Brasil foi a sociedade escravocrata mais longa de todo o mundo e por isso devemos cotidianamente nos lembrarmos disso para termos a inclusão social como resgate histórico”, disse Fux pela manhã, durante o Congresso Nacional do Registro Civil.

Em sua conta oficial no Twitter, o ministro Luís Roberto Barroso lembrou o julgamento em que o TSE determinou distribuição proporcional de recursos de campanha entre candidatos brancos e negros. Ele escreveu que o país tem o “dever de reparar a chaga moral da escravidão”.

O ministro Alexandre de Moraes também se manifestou. Ele escreveu no Twitter que o bárbaro homicídio "escancara a obrigação de sermos implacáveis no combate ao racismo estrutural, uma das piores chagas da sociedade".