Brasil Mourão diz que país deve atingir facilmente meta do Acordo de Paris

Mourão diz que país deve atingir facilmente meta do Acordo de Paris

Vice-presidente disse a jornalistas que o Brasil se comprometem em 2005 a reduzir em 37% emissões de carbono. 'Estamos tranquilos', afirmou

  • Brasil | Daniel Trevor, da Record TV Brasília

Mourão foge do assunto eleição americana

Mourão foge do assunto eleição americana

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - .03.11.2020

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta terça-feira (24) que o Brasil está tranquilo para cumprir a meta estabelecida em 2005, no Acordo de Paris, de redução nas emissões de carbono.

Brasil precisa ser recompensado por preservar a Amazônia, diz Mourão

"Acordo de Paris, vocês sabem, é uma contribuição voluntária de cada um dos países no sentido de minimizar a emissão de CO2. Cada um colocou uma meta, a do Brasil até 2025 é reduzir em 37%", explicou. "É possível, lógico. Estamos bem, estamos tranquilos", acrescentou Mourão.

Bolsonaro recua e não vai acusar países de importar madeira ilegal

O general da reserva do Exército contou que teve um encontro com especialistas da área ambiental para tirar algumas dúvidas que tinha sobre questões do acordo ligadas especificamente à Amazônia. Mourão preside o conselho responsável por ações de preservação da região.

Amazônia: 83% dos brasileiros estão insatisfeitos com preservação

Na conversa com os jornalistas nesta terça, ele se esquivou do assunto eleição americana, dizendo que não cabe a ele reconhecer a vitória do democrata Joe Biden, mas opinou sobre os avanços das reformas econômicas no Congresso Nacional. Para ele, dificilmente algo pode ser aprovado neste ano.

"A eleição [municipal] é agora, dia 29, o Congresso não se reuniu o ano inteiro praticamente (...) A visão da área econômica do governo, a própria declaração do ministro Paulo Guedes ontem, se não me engano, deixa claro que a gente considera que 2021 é o ano pra ter que avançar essas reformas."

Em sua opinião, a questão que mais preocupa a equipe econômica atualmente é a  votação da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentarias). "Para que a partir do dia primeiro de janeiro o governo não fique parado. Se não [for votada], não se pode gastar nada."

Últimas