Brasil Operação em Minas apura desvio de verbas em obras rodoviárias 

Operação em Minas apura desvio de verbas em obras rodoviárias 

Agentes da PF cumprem 25 mandados em Uberlândia; servidor público será afastado e três empresas ficam proibidas de fechar contratos públicos

  • Brasil | Do R7

Investigados terão R$ 50 milhões bloqueados

Investigados terão R$ 50 milhões bloqueados

Polícia Federal / Divulgação

A Polícia Federal realiza nesta terça-feira (15) uma operação para buscar novas provas de irregularidades na aplicação de recursos públicos do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) na região de Uberlândia, em Minas Gerais.

Governo aprova condições para desestatizar ferrovias e aeroportos

Os 25 agentes envolvidos cumprem sete mandados de busca e apreensão na cidade. A operação também tem como ações programadas o afastamento de um servidor público, o veto a novos contratos públicos de três empresas envolvidas no esquema e o bloqueio de R$ 50 milhões dos investigados.

A Operação Zigzag 2 é feita em parceira com a CGU (Controladoria-Geral da União) e o MPF (Ministério Público Federal).

A CGU, por meio da Ouio com a 1ª fase da Operação Rota BR 090, que teve como alvos servidores públicos e empresas na região de Oliveira (MG). O avanço das apurações mostrou que a supervisora dos contratos do Dnit participava do esquema delituoso, o que levou à segunda fase da BR 090. Também foi constatado que duas das empresas investigadas estavam agindo junto a servidores nas regiões de Prata (MG) e Teófilo Otoni (MG), o que culminou na deflagração da 3ª fase, denominada Operação Zigzag, em março de 2020.

A Zigzag 2 é a ampliação das investigações sobre as obras executadas por construtoras envolvidas no esquema, que chegava também a contratos em Uberlândia.

Os contratos, objetos das quatro fases da investigação, referem-se a obras rodoviárias do DNIT-MG e perfazem um total de mais de R$ 1,1 bilhão, sendo estimado um prejuízo de mais de R$ 500 milhões para os cofres públicos. Nas quatro fases já deflagradas, incluindo a de hoje, foram afastados 12 servidores, sendo quatro ex-superintendentes.

Últimas