Brasil Pacheco questiona o Executivo sobre a reforma administrativa

Pacheco questiona o Executivo sobre a reforma administrativa

Presidente do Senado afirma que há 'compromisso absoluto do Legislativo', mas diz estar preocupado com esvaziamento do texto

Agência Estado
Segundo Pacheco, Congresso reconhece a necessidade de diminuir o tamanho do Estado brasileiro

Segundo Pacheco, Congresso reconhece a necessidade de diminuir o tamanho do Estado brasileiro

Waldemir Barreto/Agência Senado

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), questionou nesta segunda-feira (31) o compromisso do Executivo federal com a reforma administrativa, em tramitação no Congresso. Pacheco disse que "há compromisso absoluto" do Legislativo com o andamento da proposta, porém demonstrou preocupação com a possibilidade de esvaziamento do texto.

"Há o compromisso do Poder Executivo com a reforma rdministrativa? Esse é um questionamento que precisamos fazer e ter clareza nessa discussão junto à Casa Civil, à Secretaria de Governo e à própria Presidência da República: se há vontade de fazer uma reforma administrativa em um ano pré-eleitoral ou não" afirmou.

"Para que não tenhamos uma concentração de energia que será esvaziada em razão de uma iniciativa do governo para não votar. Quero crer que isso não acontecerá, mas é um diálogo que precisamos ter com o governo federal", destacou Pacheco.

Na avaliação do presidente do Senado, "há um ambiente, pelo menos no Congresso, muito favorável" ao reconhecimento da necessidade de "diminuir o tamanho do Estado brasileiro" e "não demonizar os funcionários públicos". Durante sua fala, o senador disse manter a previsão de aprovação da reforma administrativa e tributária ainda neste ano.

Críticas à gestão

Pacheco também fez críticas sobre o planejamento e gestão do Estado brasileiro, dessa vez sem citar o Executivo federal. "Vamos ter um problema ao crescermos o Brasil com uma grande reforma tributária, com uma importante reforma administrativa, com os marcos legais, ao nos deparamos com uma matriz energética insuficiente para abarcarmos a evolução da indústria, por exemplo", afirmou.

Segundo o presidente do Senado, houve "quase uma súplica" para que haja o crescimento do país porque não há capacidade de fornecer energia elétrica suficiente para sustentar este crescimento. "Isso não é responsabilidade exclusiva do Congresso Nacional. Isso é planejamento, previsibilidade. Isso é gestão", afirmou Pacheco.

Últimas