Padilha diz que, pessoalmente, concorda com Renan sobre diálogo com Supremo

Ministro afirma que desentendimento com presidente do Senado deve ser superado

Padilha diz que, pessoalmente, concorda com Renan sobre diálogo com Supremo

Calheiros acusou a PF de ter se valido de "métodos fascistas" nunca adotados sequer na "ditadura" na operação realizada no Senado

Calheiros acusou a PF de ter se valido de "métodos fascistas" nunca adotados sequer na "ditadura" na operação realizada no Senado

Marcelo Camargo/06.10.2016/Agência Brasil

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha disse nesta terça-feira (25), que pessoalmente concorda com "a posição firme" do presidente do Senado Renan Calheiros sobre a iniciativa de estabelecer um diálogo da Casa com o STF (Supremo Tribunal Federal).

— Eu pessoalmente penso que o diálogo tem que ser estabelecido com a Suprema Corte, ele tem razão. É uma posição pessoal, não é posição do governo. 

Na última segunda-feira (24), Renan acusou a Polícia Federal de ter se valido de "métodos fascistas" nunca adotados sequer na "ditadura" na operação da PF, que prendeu na sexta-feira (21) quatro policiais legislativos da Casa, e anunciou que a Advocacia do Senado vai entrar no STF com uma ação para defender as prerrogativas de atuação da Polícia Legislativa.

Leia mais notícias sobre Brasil e Política

Além disso, Renan chamou o ministro da Justiça, Alexandre Moraes de "chefete de polícia" e ainda classificou de "juizeco" o juiz Vallisney de Souza Oliveira, responsável pela operação que decretou uma ordem contra o Senado.

Questionado se Moraes estaria ameaçado no cargo, Padilha disse que só quem poderia responder a essa pergunta é o presidente Michel Temer, mas minimizou a crise entre o presidente do Senado e o titular da Justiça.

— Quem nomeia e quem avalia desempenho de ministro é o presidente da república. Penso que o Alexandre e o Renan têm contribuído para o processo de desenvolvimento das ações entre executivo e legislativo neste momento. Esse episódio em poucos momentos será coisa do passado.

Segundo Padilha, os dois têm a consciência de que precisam cumprir seus deveres e essa "rusga" deve ser superada.