Síndrome de Burnout atinge 33 milhões de brasileiros

Especialistas explicam quais os principais sintomas e como as empresas podem lidar com o problema

Frederico Monacci Cerutti, Ana Merzel Kernkraut e Gustavo Toledo

Frederico Monacci Cerutti, Ana Merzel Kernkraut e Gustavo Toledo

Divulgação

Neste ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu a Síndrome de Burnout, também conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional, na Classificação Internacional de Doenças. Para falar sobre esse assunto, o Estúdio News desta quarta-feira (30) recebe a coordenadora do programa de experiência do paciente no hospital Albert Einstein, Ana Merzel Kernkraut, e o juiz da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da Segunda Região (AMATRA-2), Frederico Monacci Cerutti.

Segundo pesquisa realizada em 9 países pelo ISMA, o Brasil ocupa o 2º lugar em nível de estresse. A síndrome, que já afeta 33 milhões de brasileiros, pode ser facilmente confundida com ansiedade e depressão.

“O que caracteriza o burnout é o descomprometimento, a pessoa já não está mais lá e aí a mudança de produtividade. Diferente da pessoa que está estressada, ela está buscando resultado, ela está comprometida”, explica a psicóloga Ana Merzel Kernkraut.

Além dos impactos na saúde, as doenças relacionadas à saúde mental geram um impacto também econômico para as empresas e o país.

“Não só para a empresa é caro o absenteísmo, porque a empresa vai ter o prejuízo do funcionário que não está trabalhando e a sociedade inteira arca, pois o auxílio doença acidentário é pago pelo Estado, é pago por todos nós. Então o custo não é só econômico, é o custo de toda a sociedade”, analisa Cerutti.

O Estúdio News vai ao ar às quartas-feiras, às 22h, com reprise aos sábados, no mesmo horário. A Record News é sintonizada pelos canais de TV fechada 55 Vivo TV, 78 Net, 32 Oi TV, 14 Claro, 19 Sky e 134 GVT, além do canal 42.1 em São Paulo e demais canais da TV aberta em todo o Brasil.