Brasil STF determina arquivamento de notícia-crime contra general Heleno

STF determina arquivamento de notícia-crime contra general Heleno

Celso de Mello entendeu que a Procuradoria tem prerrogativa para investigar o ministro do GSI em decorrência da "Nota à Nação Brasileira"

  • Brasil | Do R7

Ministro Celso de Mello criticou a nota publicada por Augusto Heleno (06/02/2018)

Ministro Celso de Mello criticou a nota publicada por Augusto Heleno (06/02/2018)

Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O ministro Celso de Mello, do STF, determinou, na noite desta terça-feira (7) o arquivamento da notícia-crime apresentada por parlamentares contra o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno.

Parlamentares da oposição apontaram suposta prática de crimes contra a segurança nacional e de responsabilidade em decorrência da "Nota à Nação Brasileira", assinada por Heleno e publicada em 22 de maio. No texto, o ministro classifica como "indemissível e, até certo ponto, inacreditável", o pedido para eventual apreensão do celular de Jair Bolsonaro em decorrência da suposta interferência do presidente em investigações da Polícia Federal.

Senador protocola pedido de impeachment de Augusto Heleno

Celso de Mello acolheu a manifestação do procurador-geral da República, Augusto Aras, que instaurou inquérito no âmbito da PGR para "averiguação preliminar" sobre o texto assinado pelo ministro. O decano entendeu que a ação penal é de titularidade do Ministério Público Federal, não cabendo ao Judiciário ordenar o oferecimento de acusações. "Tais providências importariam não só em clara ofensa a uma das mais expressivas funções institucionais do Ministério Público", escreveu.

Apesar de arquivar o pedido de notícia-crime, Celso de Mello considerou que a nota de Heleno é "uma declaração impregnada de insólito (e inadmissível) conteúdo admonitório claramente infringente do princípio da separação de poderes”. Nesse sentido, o decano ressaltou que o respeito à Constituição e às leis da República “representa limite inultrapassável a que se devem submeter os agentes do Estado, qualquer que seja o estamento a que pertençam, eis que, no contexto do constitucionalismo democrático e republicano, ninguém – absolutamente ninguém – está acima da autoridade da Lei Fundamental do Estado”.

Últimas