Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Anderson Torres fica em silêncio durante depoimento à PF

Oitiva do ex-ministro da Justiça e ex-secretário de Segurança do DF ocorreu no 4° Batalhão da Polícia Militar, em Brasília, nesta quarta

Brasília|Plínio Aguiar, do R7, e Clébio Cavagnolle, da Record TV


Anderson Torres, ex-ministro da Justiça e ex-secretário de Segurança Pública do DF
Anderson Torres, ex-ministro da Justiça e ex-secretário de Segurança Pública do DF

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Anderson Torres ficou em silêncio durante depoimento à Polícia Federal (PF), em Brasília, nesta quarta-feira (18). A informação foi confirmada ao R7 e à Record TV por fontes ligadas à instituição.

A oitiva ocorreu no 4º Batalhão da Polícia Militar, no Guará, onde ele está preso. O R7 acionou a defesa de Torres, que não respondeu aos questionamentos. O espaço está aberto para manifestações.

Torres é investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de omissão e inação diante da invasão das sedes dos Três Poderes, em Brasília, em 8 de janeiro. Ele ocupava o cargo de secretário de Segurança Pública do Distrito Federal e foi exonerado do posto no mesmo dia dos atos de vandalismo.

Antes da invasão feita por extremistas, Torres viajou de férias para Miami, nos Estados Unidos. No entanto, interrompeu a viagem diante do mandado de prisão expedido pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF. O ex-ministro retornou à capital federal no último sábado (14), de forma discreta, e foi preso.

Publicidade

Ele já passou por exame de corpo de delito — um médico-legista foi deslocado pela PF para realizar o procedimento. Para despistar a imprensa, foram divulgadas informações diversas sobre o local em que o ex-ministro seria interrogado pela PF e onde seria mantido preso.

Minuta do golpe

Na terça-feira (10), a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão na casa de Torres, onde encontrou uma minuta (espécie de rascunho) de um decreto que tentaria mudar o resultado das eleições presidenciais de 2022. 

Publicidade

A minuta foi incluída na ação que investiga o comportamento do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) durante uma reunião com embaixadores no Palácio do Planalto, em julho do ano passado. Na ocasião, o então chefe do Executivo criticou o sistema eleitoral e atacou ministros do STF e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Decreto para mudar as eleições

Apontado por omissão que teria facilitado a ação dos vândalos, o ex-ministro terá ainda de se explicar sobre uma minuta (espécie de rascunho) de um decreto encontrado pela Polícia Federal na casa dele, no último dia 12, que tentaria mudar o resultado das eleições presidenciais de 2022.

Leia também

O documento estava foi encontrado durante operação de busca e apreensão determinada pelo STF na casa do ex-secretário e ex-ministro (veja abaixo a íntegra da minuta):

Minuta de decreto encontrada na casa de Anderson Torres
Minuta de decreto encontrada na casa de Anderson Torres

O secretário alegou que o documento estava em uma pilha de papéis que ele pretendia triturar no Ministério da Justiça e que a revelação da minuta foi feita "fora de contexto".

Perfil

Anderson Torres é advogado e delegado da Polícia Federal (PF), tem especialização em ciência policial, investigação criminal e inteligência estratégica pela Escola Superior de Guerra (ESG). Na PF, coordenou investigações voltadas ao combate ao crime organizado, na superintendência em Roraima.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.