Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Após Congresso, manifestantes invadem Supremo Tribunal Federal

Grupo que não aceita o resultado das eleições de 2022 faz manifestações em Brasília neste domingo (8)

Brasília|Plínio Aguiar, do R7, em Brasília


Manifestantes invadem Supremo Tribunal Federal, em Brasília
Manifestantes invadem Supremo Tribunal Federal, em Brasília

Após a invasão do Congresso Nacional, manifestantes quebraram os vidros e invadiram o Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, neste domingo (8). Os atos são organizados por eleitores que não aceitam a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas urnas em 2022.

Em vídeos divulgados por manifestantes nas redes sociais, é possível ver vidros quebrados e diversos móveis depredados no STF, inclusive no plenário. 

Vídeos publicados nas redes sociais mostram o momento em que os manifestantes subiram a rampa do Congresso Nacional e invadiram a parte superior, onde ficam as cúpulas do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, além do Salão Verde, localizado dentro do edifício.

Depois, o grupo tentou invadir o Palácio do Planalto, sede da Presidência da República, local onde o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) despacha, em Brasília. O petista não está na capital federal neste momento e, sim, em Araraquara, em visita ao município do interior paulista após os estragos causados pelas chuvas.

Publicidade

Autoridades

Autoridades repudiaram as invasões. O presidente do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou ter falado por telefone com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, que teria informado "que está concentrando os esforços de todo o aparato policial no sentido de controlar a situação".

"Na ação, estão empenhadas as forças de segurança do Distrito Federal, alem da Polícia Legislativa do Congresso. Repudio veementemente esses atos antidemocráticos, que devem sofrer o rigor da lei com urgência", completou Pacheco.

Publicidade

Ex-ministro da Justiça e secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres avaliou as cenas de invasão como "lamentáveis". O secretário informou ainda ter determinado ao setor de operações da pasta "providências imediatas para o restabelecimento da ordem no centro de Brasília".

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB-MA), afirmou que os atos não vão prevalecer. "Essa absurda tentativa de impor a vontade pela força não vai prevalecer. O Governo do Distrito Federal afirma que haverá reforços. E as forças de que dispomos estão agindo. Estou na sede do Ministério da Justiça", escreveu nas redes sociais.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.