Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Após matar ex-companheira, homem confessou o crime em áudio; ouça

Paulo Roberto Moreira matou a vítima na frente da filha do casal, no DF; por mensagem, disse a amigos que 'não pensou'

Brasília|Luiz Calcagno, do R7, e Paloma Carvalho, da Record TV

Depois de matar a ex-companheira com um tiro na cabeça na frente da própria filha, Paulo Roberto Moreira confessou o crime a amigos em um grupo de conversas. Na mensagem, ele alega que Izabel Aparecida de Sousa, 37 anos, fez uma operação bancária e retirou um dinheiro que ele queria de volta. Por áudio, logo após o crime, ele disse a amigos que a vítima riu dele e como justificativa alegou que "não pensou no que estava fazendo" ao atirar na ex-companheira.

O crime ocorreu na tarde de ontem, sábado (4), no PSul, em Ceilândia. O suspeito foi até a casa da ex-companheira, pediu para entrar, eles teriam discutido, ele atirou e fugiu em seguida. Paulo Roberto ainda não se entregou e é considerado foragido pela Polícia Civil. Ele tem imagens nas redes sociais que exibem fotos dele com armamento. A PM apreendeu a arma que teria sido usada no crime e o carro do suspeito, um Fusion preto.

Suspeito de feminicídio era CAC e fazia fotos com armas
Suspeito de feminicídio era CAC e fazia fotos com armas Suspeito de feminicídio era CAC e fazia fotos com armas

“A Bel me deixou louco. Ela bloqueou, pegou todo o meu dinheiro da conta. E aí ela ficava rindo, falando que eu ia passar vergonha. Eu cheguei lá nela e disse 'desbloqueia a conta, Bel, manda pra minha conta de volta'. Ela falou que não ia voltar. Eu não pensei. Eu matei o amor da minha vida”, afirmou Paulo a amigos ainda durante a tarde, após o crime.

Leia também

Segundo familiares, o casal estava separado, e ele já teria feito ameaças à mulher. Os bombeiros chegaram a socorrer Izabel e levá-la de helicóptero para o Hospital de Base do Distrito Federal. Na unidade, porém, ela sofreu uma parada cardíaca já na mesa de cirurgia e não resistiu. Esse é o quinto caso de feminicídio no Distrito Federal neste ano.

Publicidade
Em última postagem nas redes, vítima contou um pouco da própria história
Em última postagem nas redes, vítima contou um pouco da própria história Em última postagem nas redes, vítima contou um pouco da própria história

Casos de feminicídio

Além do caso de Izabel, a capital federal registrou outros quatro casos de feminicídio somente este ano. O primeiro deles aconteceu no réveillon, em 1º de janeiro, em Ceilândia. Fernanda Letícia da Silva, 27 anos, foi asfixiada pelo namorado Maxwel Lucas Rômulo Pereira de Oliveira, de 32 anos. O motivo: eles discutiram pois ela queria sair para comemorar a virada.

No dia seguinte, André Muniz, 52 anos, enforcou a companheira, Mirian Alves Nunes, 26 anos, com um fio de varal. O crime também aconteceu em Ceilândia. Mirian deixou uma filha de 8 anos, outra de 6 e uma recém nascida de apenas 1 mês.

Depois disso, em 17 de janeiro, no Setor de Mansões do Park Way, João Inácio dos Santos, 54 anos, atirou na ex-companheira, Jeane Sena da Cunha Santos, 42 anos, e se matou em seguida. E no quarto caso, Wellington Rodriguez Ferreira assassinou Giovana Camilly com um tiro no rosto em 18 de janeiro. O crime aconteceu, mais uma vez, em Ceilândia.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.