Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Carne fica de fora da cesta básica em nova versão da regulamentação da tributária

Cálculo da Fazenda previa que isenção total de imposto aumentaria em 0,53 ponto percentual a alíquota base, estimada em 26,5%

Brasília|Bruna Lima, do R7, em Brasília


Regulamentação da tributária não incluiu carne isenta de imposto
Carne fica de fora da cesta básica Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A nova versão do PLP (Projeto de Lei Complementar) 68/2024 que será levada nesta quarta-feira (10) ao plenário da Câmara dos Deputados não incluiu a carne na cesta básica sem cobrança de tributos. Este é um dos principais itens que causa divergência entre os parlamentares e, por isso, a expectativa é de novas discussões sobre o tema durante a sessão plenária. Segundo o cálculo do Ministério da Fazenda, a isenção total de imposto sobre a carne aumentaria em 0,53 ponto percentual a alíquota base do Imposto sobre Valor Adicionado (IVA), estimada em 26,5%.

LEIA MAIS

Pela proposta, a carne fica entre os produtos com 60% de isenção de imposto. A bancada do agro ainda reivindica a isenção total do produto. Sem consenso sobre o tema, a ideia é que haja uma discussão em separado, justamente pelo impacto que a medida pode gerar sobre a alíquota base.

A fala do próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendendo a carne na cesta básica dá força à discussão. No início do mês, Lula defendeu a inclusão de cortes específicos de carnes, sobretudo os mais consumidos pela população mais vulnerável do país, como o frango, músculo e acém. No entanto, na terça-feira (9), o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, sugeriu que em vez de isentar todas as carnes, houvesse aumento do cashback para pessoas que não têm condições de pagar o “valor cheio” do produto. O novo relatório dobrou a devolução nas contas de água e luz para os mais pobres.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), é contra a inclusão da carne da cesta. O motivo é o peso político que o aumento na alíquota base pode gerar na conta dos deputados. A previsão é que o texto seja votado no plenário na quarta-feira (10). Trechos sensíveis na matéria podem ser negociados em plenário. Além da carne, a sobretaxação de armas é outro tema sem consenso que deverá ser destacado.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.