Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Defesa de Valdemar Costa Neto pede de novo ao STF para ter contato com Bolsonaro

A PF investiga a suposta organização de um golpe de Estado em 2022 em prol do candidato derrotado e ex-presidente

Brasília|Gabriela Coelho, do R7, em BrasíliaOpens in new window


Os dois foram alvos da PF em investigação sobre golpe de Estado Reprodução/Record News - 09.02.2024

A defesa do presidente do PL, Valdemar da Costa Neto, pediu ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, para poder voltar a ter contato com o ex-presidente Jair Bolsonaro em razão das eleições municipais. A informação foi confirmada pelo R7. Em fevereiro, já havia tido um pedido semelhante.

Leia Mais

No mesmo mês, na decisão que autorizou a Operação Tempus Veritatis, da Polícia Federal, Moraes proibiu que Bolsonaro tenha contato com investigados, entre eles Valdemar Costa Neto. A PF investiga a suposta organização de um golpe de Estado em 2022 em prol do candidato derrotado e ex-presidente, com a participação de ex-assessores, militares e Valdemar Costa Neto.

Na época, não havia mandado de prisão contra Valdemar Costa Neto, presidente do PL, mas ele foi detido em flagrante por posse irregular de arma de fogo. O papel de Valdemar Costa Neto era de “principal fiador dos questionamentos” ao processo eleitoral, segundo aponta a investigação da PF. Ele seria peça-chave do chamado “Núcleo de Desinformação e Ataques ao Sistema Eleitoral” do grupo criminoso.

As investigações apontam que o PL foi “instrumentalizado” para financiar e comandar a estrutura de apoio à suposta tentativa de golpe de Estado. Segundo a PF, 16 militares são investigados por pelo menos três formas de atuação. A primeira é a produção, divulgação e amplificação de notícias falsas quanto à segurança das eleições de 2022 para estimular seguidores a permanecerem na frente de quartéis e instalações das Forças Armadas.

Publicidade

O segundo ponto de atuação dos militares investigados pela PF seria de apoio às ações golpistas, reuniões e planejamento para manter os atos em frente aos quartéis, incluindo mobilização, logística e financiamento para auxiliar os manifestantes.

Havia ainda o “Núcleo de Inteligência Paralela”, que seria formado pelos militares Augusto Heleno, Marcelo Câmara e Mauro Cid. Eles fariam a coleta de dados e informações que auxiliassem a tomada de decisões do então presidente da República na consumação do golpe. Bolsonaro teria pressionado os ministros do governo, durante reunião realizada em 5 de julho de 2022, para que promovessem e replicassem “desinformações e notícias fraudulentas” quanto à confiança do sistema eleitoral brasileiro, revela o processo.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.