Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Homem que atropelou servidora recorre para não ir a júri popular

Crime aconteceu em 25 de agosto de 2021, na frente do filho e do marido da vítima, no Lago Sul, depois de uma briga de trânsito

Brasília|Luiz Calcagno, do R7, em Brasília


A defesa do advogado Paulo Ricardo Moraes Milhomem, acusado de atropelar a servidora Tatiana Matsunaga, entrou com recurso contra a decisão da Justiça de submeter o réu a júri popular. O atropelamento aconteceu em frente à casa da vítima, no Lago Sul, no Distrito Federal, após uma briga de trânsito. Milhomem chegou a perseguir a mulher até a residência dela. Ele responde por tentativa de homicídio qualificado por motivo fútil.

O crime aconteceu em 25 de agosto do ano passado. As câmeras de segurança da casa da mulher registraram o momento em que ele passa com o carro por cima dela e foge. O marido de Tatiane e o filho mais novo dela presenciaram o atropelamento. O advogado fugiu e só se apresentou à Polícia Civil horas depois, quando agentes já tinham saído à sua procura.

O juiz substituto do Tribunal do Júri de Brasília, Frederico Ernesto Cardoso Maciel, decidiu no último sábado (4) que Milhomem deve ir a júri popular pelo crime. O magistrado retirou uma das qualificadoras que pesavam contra o réu.

Inicialmente, o advogado era acusado de homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Maciel, retirou a segunda qualificadora. Era esperado que a defesa do advogado recorresse.

Publicidade

Leia também

No recurso, impetrado na manhã desta quarta-feira (8), os defensores de Milhomem solicitaram que ele não vá a júri popular, pediram a retirada da qualificadora “por motivo fútil” e a suspensão da prisão preventiva, para que ele responda ao processo em liberdade.

Segundo os advogados, o réu teria cometido tentativa de homicídio culposo (quando não há a intenção de matar). Depois do atropelamento, Tatiana ficou quase um mês na UTI do hospital Brasília e passou dois meses e 12 dias internada. Ela foi para casa, mas ainda demanda cuidados médicos e atenção.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.