Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

‘IA só não é mais perigosa que a burrice humana’, diz Pacheco ao defender regulamentação

Presidente defende aprovação antes do recesso, mas votação do parecer foi adiada na comissão

Brasília|Bruna Lima, do R7, em Brasília


Tema é debatido em comissão especial, mas votação foi adiada por falta de consenso
Votação da IA foi adiada nesta terça Saulo Cruz/Agência Senado

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), defendeu nesta terça-feira (9) a aprovação da regulamentação da inteligência artificial antes do recesso parlamentar. Segundo ele, a IA “só não é mais perigosa que a burrice humana”. A fala foi dada em evento sobre mobilidade urbana, na sede da Confederação Nacional do Transporte, horas antes da comissão especial que debate o tema adiar a votação do parecer.

LEIA MAIS

De acordo com Pacheco, a IA é “algo sensível, que precisa ser regulado”. “Erro achar que não deve ter tutela legislativa sobre o tema, assim como um erro achar que não é preciso ter tutela legislativa sobre as redes sociais”, disse Pacheco, criticando a falta de lei sobre as plataformas “o que acaba permitindo que muita coisa ruim aconteça, um ambiente de desinformação que nós precisamos coibir”.

O projeto é de autoria de Pacheco, que trabalha para a aprovação da proposta no Senado antes do recesso. Líderes da casa legislativa já haviam acordado incluir o tema na pauta do plenário desta semana.

No entanto, membros da oposição têm se colocado contra pontos do texto e a votação do relatório na comissão especial foi novamente adiada. A decisão foi do presidente do colegiado, senador Carlos Viana (Podemos-MG), sob a alegação de que a proposta ainda precisa ser mais debatida. “Nós não vamos votar até que a gente tenha esclarecido ponto por ponto de tudo isso”, disse.

Publicidade

O que diz a proposta

A regulamentação da IA estabelece princípios e direitos sobre o tema, além de regras para uso e fiscalização da tecnologia conforme o risco que a atividade oferece.

O projeto cria regras diferentes para faixas regulatórias definidas de acordo com o risco à sociedade. Os sistemas de IA podem ser considerados de “risco excessivo”, que será proibido; de “alto risco”, que será controlado; ou não estar em nenhuma das duas categorias. Para determinar o risco, um sistema de IA deverá passar por uma avaliação preliminar feita pelos próprios desenvolvedores, fornecedores ou operadores.

Publicidade

O projeto impede o desenvolvimento, implementação e uso de IA em atividades consideradas de “risco excessivo”, como:

  • uso de armas autônomas, que podem atacar alvos sem intervenção humana;
  • uso de câmeras em espaço público para identificar pessoas, exceto em casos específicos de busca por desaparecidos ou segurança pública e justiça criminal.

Os sistemas de alto risco são permitidos, mas sujeitos a regras mais rígidas que os sistemas de IA comuns. O texto prevê a necessidade de registro das operações realizadas, testes de confiabilidade e elaboração de uma “avaliação de impacto algorítmico” sobre os direitos fundamentais a ser entregue aos órgãos fiscalizadores. Exemplos incluem:

  • veículos autônomos;
  • sistemas que auxiliem em diagnósticos ou procedimentos médicos;
  • uso de IA na aplicação da lei, entre outros.

Proteção ao trabalho

Um dos princípios do regulamento é a proteção do trabalho, que será observado por um Conselho de Cooperação Regulatória e Inteligência Artificial. Esse conselho produzirá diretrizes para reduzir potenciais riscos aos trabalhadores.

Além disso, o projeto aborda normas sobre direitos autorais, especialmente desafiados pelas IA generativas que produzem imagens e textos. Conteúdos protegidos por direitos autorais poderão ser utilizados no desenvolvimento de IA desde que obtidos de forma legítima e sem fins comerciais, observados outros requisitos.

O projeto prevê um conjunto de órgãos integrados para regular o mercado da inteligência artificial. Eles formarão o Sistema Nacional de Regulação e Governança de Inteligência Artificial (SIA), coordenado pela Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), criada pela Lei 13.853, de 2019. O projeto prevê uma regulação genérica, atribuindo aos órgãos reguladores de cada setor da economia a tarefa de estipular regras mais específicas.



Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.