Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Indicado para Petrobras nega intervenção direta na política de preços

Senador Jean Paul Prates destacou que os preços dos combustíveis vão ser vinculados internacionalmente de alguma forma

Brasília|Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

Jean Paul Prates, indicado para a presidência da Petrobras, durante sessão do Senado
Jean Paul Prates, indicado para a presidência da Petrobras, durante sessão do Senado Jean Paul Prates, indicado para a presidência da Petrobras, durante sessão do Senado

Indicado para a presidência da Petrobras, o senador Jean Paul Prates (PT-RN) negou, nesta quarta-feira (4), que o governo fará intervenção na política de preços da estatal. Ele disse que os preços serão vinculados internacionalmente de alguma forma.

"Claro que não [vai ter intervenção]. Nunca ninguém falou em intervenção. Não sei quem inventou essa história de intervenção", disse. "A Petrobras não faz intervenção em preços. Ela cumpre o que o mercado e o governo criam de contexto. A Petrobras reage a um contexto. Então nós vamos criar a nossa política de preços para nossos clientes, para as pessoas que compram da Petrobras. A gente não pode influenciar", completou.

O novo indicado para a presidência da estatal destacou, ainda, que todo preço vai ser vinculado internacionalmente de alguma forma. "Sempre vai ser influenciado pelos preços internacionais. Qualquer país é assim. Não é ideia minha. Todo preço da commodity de combustível e derivado de petróleo é referência, influenciado pela oscilação internacional."

A Petrobras adota o modelo PPI (preço de paridade internacional), o que faz com que os preços da gasolina, etanol e diesel acompanhem a variação do valor do barril de petróleo no mercado internacional.

Continua após a publicidade

A estatal recebeu, nesta terça-feira (3), a indicação de Prates para o cargo de presidente. O ofício foi enviado pelo ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira. De acordo com a nota, "a indicação oficial será formalizada após os trâmites na Casa Civil da Presidência da República".

Com mais de 25 anos de atuação no setor energético, Prates tem defendido a ideia de que a Petrobras eleve seus investimentos em renováveis, em linha com outras petroleiras globais, e na área de refino, em busca de segurança energética. Apesar disso, o senador vinha questionado a política de preços da estatal, que está atualmente alinhada às práticas do mercado internacional.

Continua após a publicidade

Enquanto Prates não for oficializado, a presidência da Petrobras fica sob o comando interino de João Henrique Rittershaussen, que assumiu o cargo após o encerramento antecipado do mandato de Caio Paes de Andrade.

Leia também

Política de preços

Como mostrou o R7, durante os trabalhos na equipe de transição, o senador tinha um discurso diferente. Ele chegou a afirmar que a metodologia de preços da empresa é uma política de governo, e não de Estado. Por isso, havia a expectativa de mudanças nos cálculos, de forma a reduzir o valor pago pelo consumidor nos produtos derivados do petróleo.

"Vejo a Petrobras como uma empresa que precisa olhar para o futuro e investir na transição energética para atender às necessidades do país, do planeta e da sociedade, além dos interesses de longo prazo de seus acionistas", disse na ocasião.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.