Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Lira diz que nova regra fiscal precisa vir acompanhada de outras medidas econômicas

Segundo presidente da Câmara, cabe aos parlamentares aprovar proposições para garantir o funcionamento do arcabouço

Brasília|Hellen Leite e Bruna Lima, do R7, em Brasília


Presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), durante entrevista à imprensa no salão verde
Presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), durante entrevista à imprensa no salão verde

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta quinta-feira (30) que a apresentação da nova regra fiscal para substituir o teto de gastos feita pelo governo é "um bom começo", mas que a proposta precisa ser amparada por outras medidas econômicas.

“A regra fiscal vai ser uma diretriz, mais flexível que o teto de hoje, mas a questão vai ser saber que projetos e que votações vamos ter que fazer após, para ajustar o arcabouço”, comentou, citando como exemplo a tese defendida pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de ajustar a cobrança do imposto sobre a renda, além da revisão de isenções e exonerações. 

Segundo a equipe econômica, após a discussão da nova regra fiscal, o governo federal vai se concentrar em construir uma proposta de reforma tributária, que deve ser apresentada em duas fases. A primeira parte com foco na mudança da tributação sobre o consumo; e a segunda parte, com expectativa para ser apresentada no segundo semestre deste ano, na mudança dos impostos sobre a renda.

Leia mais: Líderes no Senado indicam compromisso para aprovação das novas regras fiscais

Publicidade

Lira também afirmou que "vai trabalhar" para votar o projeto em abril. Ele disse que ainda não tem o nome do relator do arcabouço fiscal na Câmara, mas que deve ser um nome de seu partido, o PP. 

Mais cedo, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, divulgou a proposta sobre novas regras fiscais para o país com a meta de zerar o déficit primário em 2024, com superávit de 0,5% em 2025 e de 1% em 2026. 

Publicidade

Votação de MPs

Lira evitou comentar sobre a polêmica envolvendo a apreciação das medidas provisórias. No início da semana, o presidente da Câmara subiu o tom contra Senado e disse que caso o presidente Rodrigo Pacheco (PSD-MG) reinstalasse as comissões mistas, a Câmara faria um movimento para esvaziar as discussões. 

A sinalização agora é pela apreciação nas comissões mistas das medidas consideradas "importantíssimas" pelo governo, como se referiu Lira. Neste rol estão incluídas as MPs sobre a restruturação dos ministérios, as que trouxeram complementação e restruturação ao Bolsa Família e ao Minha Casa, Minha Vida, além da que restabeleceu o voto de qualidade no Carf, o conselho administrativo da Receita Federal. 

Publicidade

As outras medidas, segundo Lira, serão convertidas em projetos de lei de urgência constitucional para serem apreciadas pelo Congresso. 

Mesmo com a solução em relação às MPs atuais, o impasse em relação ao rito de análise continua. Sem o apoio do Senado para conseguir alterar a composição das comissões de acordo com a proporcionalidade, Lira espera de novas alternativas por parte dos senadores. 

"A Câmara já disse que para as medidas importantíssimas para o funcionamento do país, mesmo pensando contrário quanto às questões técnicas das comissões, ela vai contribuir. No mais, a gente espera que o Senado dê alguma sugestão", afirmou Lira. 

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.