Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Mais de 1,3 mil vigilantes entram em greve nos hospitais públicos e UBSs do Distrito Federal

Empresa terceirizada está com parcelas do FGTS em atraso e não forneceu uniformes novos de trabalho para os profissionais

Brasília|Edis Henrique Peres, do R7, em Brasília


Greve dos Vigilantes, Vigilantes do DF, sindesv-Df
Cerca de 90% dos vigilantes da Saúde do DF estão de greve Divulgação/Sindesv-DF - 08.07.202

Mais de 1,3 mil vigilantes dos hospitais públicos e das UBS (unidades básicas de saúde) entraram em greve nesta segunda-feira (8) no Distrito Federal. Os trabalhadores reivindicam o pagamento das parcelas em atraso do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e a entrega de novos uniformes de trabalho.

Veja Mais

Segundo o Sindesv-DF (Sindicato dos Vigilantes), dos 1.500 vigilantes da empresa terceirizada, mais de 90% estão parados.”Apenas alguns estão trabalhando em postos essenciais, como nas áreas de psiquiatria e maternidade, para garantir que os pacientes não fujam e para proteger as crianças”, detalha Gilmar Rodrigues, diretor de comunicação do sindicato.”

Ele acrescenta que a greve atinge os hospitais de Ceilândia, Brazlândia, Taguatinga, Samambaia, Planaltina e Sobradinho, além das UBSs dessas cidades. A categoria também reivindica pagamento das férias e dos salários atrasados pela empresa.

Questionada sobre o tema, a Secretaria de Saúde disse em nota que os pagamentos pelos serviços prestados pela empresa terceirizada estão dentro dos prazos regimentais.

Publicidade

“A pasta informa que acompanha a situação para não haver prejuízo aos serviços prestados, seja nas UBSs ou nos hospitais da rede. A SES-DF ressalta que mantém o contato com a empresa responsável pelos serviços de vigilantes”, diz.

O R7 tentou contato com empresa responsável, mas não obteve retorno. O espaço segue aberto.

Publicidade

Desdobramentos

No fim do mês passado, o sindicato teve uma reunião com a Secretaria de Saúde para tratar do tema. Na ocasião, a categoria relatou que a empresa estava atrasando o pagamento dos salários, do tíquete refeição e das férias.

Na reunião, a secretária de Saúde, Lucilene Florêncio, teria dito que a pasta estava se preparando para trocar a empresa terceirizada responsável pelos vigilantes, segundo informações do sindicato. Em nota ao R7, contudo, a pasta não confirmou a mudança.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.