Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Marcos do Val volta atrás e diz que suposta proposta de golpe partiu de Daniel Silveira

O senador revelou que a ideia foi apresentada em reunião com Bolsonaro e afirmou que tem dúvida sobre renunciar ao mandato

Brasília|Bruna Lima, do R7, em Brasília


Senador Marcos do Val volta atrás sobre possibilidade de renúncia
Senador Marcos do Val volta atrás sobre possibilidade de renúncia

O senador Marcos do Val (Podemos-ES) voltou atrás nas declarações sobre a suposta participação do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) em uma tentativa de golpe de Estado e de gravar ilegalmente o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). O parlamentar disse a jornalistas nesta quinta-feira (2) que o pedido para tentar gravar o magistrado partiu do ex-deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), em uma reunião a que Bolsonaro estava presente. Do Val também recuou da possibilidade de renunciar ao mandato de senador.

Em transmissão pelas redes sociais, o parlamentar chegou a falar em “coação” por parte do ex-presidente, na tentativa de aliciá-lo como “infiltrado” para tentar derrubar Moraes. Apesar de ter minimizado a participação de Bolsonaro no episódio, o senador afirmou que o ex-presidente não tentou impedir o plano.

Na nova versão, ele atribuiu o plano, que classificou de “criminoso”, a Daniel Silveira, que foi preso nesta quinta por ter descumprido medidas judiciais. “Não impediu o Daniel”, afirmou. Segundo o parlamentar, era o ex-deputado quem estava “desesperado para manter sua posição, seu networking, no Congresso”. E ainda acrescentou que Silveira pleiteava um cargo no gabinete do senador Magno Malta (PL-BA).

Do Val disse ter documentos que provariam a prevaricação de agentes públicos na invasão e depredação do Palácio do Planalto, do Congresso e do prédio do STF no dia 8 de janeiro, em Brasília, por extremistas que não aceitavam o resultado da eleição presidencial. O senador apresentou uma proposta de abertura de CPI para apurar os episódios e, segundo ele, as provas só poderiam ser reveladas na investigação.

Publicidade

Leia também

Renúncia ao mandato

Em razão da repercussão e dos ataques nas redes sociais que vem recebendo, em que é chamado de “traidor”, Do Val chegou a dizer que sairia da política e voltaria a morar nos Estados Unidos. “Ficar aqui tomando pancada o dia inteiro. Tem hora que a gente pensa que não está mais aguentando. Mas não se toma decisão individual”, disse ele, alegando que ainda está em dúvida sobre seu futuro na política.

O senador se reuniu nesta quinta de manhã com sua equipe e disse que recebeu pedidos de senadores para se manter no cargo – entre eles, do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho do ex-presidente, que teria sugerido a Do Val que migrasse para o PL.

Na declaração que deu à imprensa, o senador alegou que não há possibilidade de que seja substituído pela suplência. “Não tinha nenhum nome para a suplência. Na hora [de oficializar a candidatura] tinha a secretária do vereador, e eu perguntei se ela poderia emprestar o documento para ser minha suplente”, disse, ao revelar que não escolheu um substituto por propósito político.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.