Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

MP da compensação gera divergência no Congresso e deve atrasar votação da reoneração

Consultoria do Senado fará estudo sobre a medida enquanto parlamentares discutem outras formas de arrecadação

Brasília|Bruna Lima, do R7, em Brasília

Pacheco vai encomendar um estudo de impacto da MP da compensação. Efraim é autor do projeto da reoneração e Jaques Wagner, o relator
Senado vai estudar MP da compensação (Roque de Sá/Agência Senado)

A medida provisória editada pelo governo federal para compensar as perdas arrecadatórias com a prorrogação da desoneração em 2024 tem gerado forte divergência no Congresso Nacional, o que impacta diretamente na votação do projeto que prevê a reoneração gradual da folha a partir do ano que vem. Líderes do Senado repercutiram o tema nesta quinta-feira (6) e decidiram encomendar um estudo de impacto aos consultores da Casa enquanto trabalham na sugestão de outras formas de arrecadação que não tragam prejuízo aos setores da economia.

LEIA MAIS

Entre as alternativas a serem levadas para a equipe do governo estão a atualização de ativos financeiros, a elaboração de uma nova política de repatriação e a manutenção do IPI, questões que já estiveram na roda de discussões anteriormente. Segundo o senador Efraim Filho (União-PB), autor do projeto da reoneração, são sugestões “que podem trazer receita sem sacrificar o setor produtivo”.

“Recebemos uma grande inquietação e inconformismo do setor produtivo e o colégio de líderes se comprometeu a se debruçar sobre os impactos reais dessa medida provisória. O presidente Rodrigo Pacheco determinou à consultoria do Senado que fizesse um estudo elaborado para que tivéssemos a exata noção desse impacto e, a partir disso, tomar as medidas necessárias”, completou Efraim.

Com a necessidade de mudança avaliada pelos líderes e como os temas do PL da desoneração e da medida provisória caminham juntos, a possibilidade de votar o projeto antes do recesso legislativo de julho fica mais distante. Relator da proposta e líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA) deve aguardar o resultado dos estudos técnicos e o avanço de um acordo antes de apresentar o parecer.

Publicidade

Na avaliação da senadora Tereza Cristina (PP-MS), esse movimento de debate aprofundado é necessário, já que a MP “está causando um burburinho enorme e uma insegurança para os setores produtivos brasileiros, principalmente para os exportadores, por não poderem fazer a compensação dos créditos de PIS/COFINS”.

Tereza acrescentou que, na prática, a medida faz com que os setores banquem a desoneração. “Isso não é justo porque você dá com uma mão e tira com a outra. E isso veio sem uma conversa prévia com o Senado”.

Publicidade

O que diz a MP

Para compensar a desoneração da folha de pagamento, o governo editou uma medida provisória com o objetivo de promover arrecadação de R$ 29,2 bilhões por meio de créditos do PIS/Confins. Para a compensação, a Fazenda adota como premissa a não-cumulatividade do PIS/Confins em uma sistemática nomeada “base sobre base”.

O governo estabelece uma alíquota nominal de 9,25% em relação a aos tributos. Com isso, a projeção da Fazenda é que a alíquota real fique abaixo de 1%. O acúmulo de créditos também leva em conta a soma dos chamados créditos presumidos, além de isenções e imunidade nas exportações.

Publicidade

O governo argumenta que a equação não promove “criação ou majoração de tributos” e nem prejudica “os contribuintes menores ou o setor produtivo”, tratando-se de uma correção de “distorções do sistema tributário brasileiro”.

Para 2024, o governo calcula um impacto com a desoneração de R$ 15,8 bilhões aos 17 setores que mais empregam e R$ 10,5 bilhões com municípios de até 156 mil habitantes, totalizando uma perda arrecadatória de R$ 26,3 bilhões. A medida provisória sugerida para compensar a perda superaria esse montante em quase R$ 3 bilhões.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.