Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Padilha diz que derrotas no Congresso não surpreenderam governo

Ministro responsável pela articulação política argumenta que gestão Lula não está sendo derrotada naquilo que é ‘essencial’

Brasília|Plínio Aguiar, do R7, em Brasília

O ministro Alexandre Padilha em agenda (Gil Ferreira/SRI - 21.05.2024)

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou nesta segunda-feira (3) que a equipe do presidente Luiz Inácio Lula da Silva não foi surpreendida pelas derrotas em votações no Congresso Nacional na semana passada, como a derrubada do veto a um trecho da lei que proíbe as saidinhas de presos. O titular da pasta disse também que o governo não vai perder o “mata-mata”.

Leia mais

“Nada do que aconteceu na sessão do Congresso surpreendeu os articuladores do governo. Não vamos perder o mata-mata. Não estamos sendo derrotados naquilo que é essencial. Temos muita consciência dessas prioridades. É um valor muito importante. Temos consciência da realidade do Congresso Nacional. Estamos vencendo esse debate em parceria com o Congresso”, disse Padilha.

“O governo sempre foi muito realista. Desde o ano passado que nós sempre apresentamos ao Congresso Nacional uma pauta centrada no avanço econômico e social. Nós temos noção da realidade do perfil do Congresso Nacional, que espelha o que foi o pensamento do Brasil no dia das eleições. O presidente e a articulação política têm total noção realista do Congresso e da centralidade dos nossos projetos na economia. Vamos continuar avaliando”, completou.

As declarações foram dadas por Padilha após reunião com Lula. Também participaram do encontro os líderes Randolfe Rodrigues (Congresso), Jaques Wagner (Senado) e José Guimarães (Câmara), além dos secretários-executivos da Casa Civil e da Fazenda, Miriam Belchior e Dario Durigan, respectivamente.

Publicidade

Na semana passada, o Congresso derrubou alguns vetos de Lula a propostas aprovadas pelo parlamento. O Legislativo rejeitou, por exemplo, os vetos de Lula a um trecho da lei que proíbe as saidinhas de presos — o benefício agora vai valer apenas para os detentos do regime semiaberto que não cometeram crimes hediondos ou violentos e estejam estudando ou trabalhando formalmente —, e também a itens da Lei de Diretrizes Orçamentárias.

Além disso, o Congresso decidiu manter um veto do ex-presidente Jair Bolsonaro a uma proposta que buscava criminalizar notícias falsas relacionadas ao processo eleitoral. O governo Lula defendeu que o veto fosse derrubado, mas acabou derrotado.

Publicidade

Encontros de Lula com parlamentares

Lula decidiu mudar o formato das reuniões com líderes governistas no Congresso após as derrubadas dos vetos e, a partir de agora, vai se encontrar semanalmente com parlamentares e a equipe responsável pela articulação política na tentativa de melhorar a imagem junto ao Legislativo e, assim, aprovar projetos de interesse do governo.

Padilha afirmou que Lula vai retomar o envolvimento direto na articulação política do governo. Segundo o ministro, o presidente está aberto a receber líderes e vice-líderes do partido, além de ministros, para debater pautas que estão em tramitação no Legislativo.

O titular responsável pela articulação política argumentou que Lula tinha interrompido as reuniões por causa das enchentes que assolam o Rio Grande do Sul. Segundo Padilha, agora, passado o momento mais crítico da tragédia ambiental no estado gaúcho, o presidente vai querer retomar os encontros semanais.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.