Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Polícia Federal indicia suspeitos de ofender familiares de Moraes em aeroporto de Roma

Relatório enviado ao Supremo Tribunal Federal afirma existência de injúria racial contra filho do ministro

Brasília|Gabriela Coelho, do R7, em BrasíliaOpens in new window

Família de Moraes recebeu ofensas no aeroporto de Roma (Rovena Rosa/Agência Brasil/Rovena Rosa/Agência Brasil)

A Polícia Federal (PF) indiciou nesta segunda-feira (3) o empresário Roberto Mantovani, a esposa dele, Andreia Munarão, e Alex Zanatta, após tumulto com supostas ofensas ao ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), e sua família em aeroporto de Roma. A discussão ocorreu em 14 de julho do ano passado, quando o ministro esteve na Itália para participar de uma palestra no Fórum Internacional de Direito, na Universidade de Siena. Os três foram indiciados pelos crimes de calúnia, difamação e injúria.

Leia mais

Em fevereiro, a Polícia Federal enviou ao STF um relatório no qual afirmava que houve crime de injúria real cometido pelo empresário Roberto Mantovani contra o filho do ministro Alexandre de Moraes, no aeroporto internacional de Roma. A PF, entretanto, descartou indiciamento.

No novo relatório, a PF diz que embora não se possa ouvir as palavras ditas por Andreia, a análise das imagens não deixa qualquer dúvida que a pessoa que provocou o início da discussão foi ela.

“Por outro lado a versão das vítimas não é contradita em momento algum pelas imagens. Muito embora as palavras proferidas não possam ser ouvidas, nada nas imagens contradiz o que foi dito em tom uníssono pelos agredidos. Volto a enfatizar que a palavra da vítima em casos onde “versões” são basicamente o cerne da questão deve sempre ter peso diferenciado, mais ainda quando os demais instrumentos de prova colhidos apontam na mesma direção”, diz a PF.

Publicidade

Segundo a corporação, a polarização vivenciada pelo Brasil nos últimos anos e inúmeros fenômenos observados em particular nas redes sociais levaram a uma intolerância política insustentável.

“Alas extremistas passaram a difundir nas redes sociais as conhecidas fake news e a propagar o ódio ao lado oposto. Nessa guerra vivenciada, em especial nas redes sociais, passou-se a exaltar algumas personalidades e a atacar de forma vil outras que os grupos veem como contrárias ao ponto de vista defendido por eles. Neste contexto a agressão, a ridicularização, o ataque aos oponentes se tornaram algo não só corriqueiro, mas aceitável para porções da sociedade. Neste cenário o ministro Alexandre de Moraes é uma das figuras mais atacadas e odiadas por alas extremistas. É dentro deste contexto que é possível apontar a causa de agir dos agressores”, afirmou.

Publicidade

Para a PF, a opinião política de cada cidadão, assim como sua impressão de como está sendo gerido o país, é livre. “No entanto a discordância não dá o direito que nenhuma pessoa agrida à outra. Não é tolerável que, por motivação política ou ideológica, se autorize a agressão, a ridicularização, a propagação de mentiras contra quem quer que seja. Tal premissa se aplica não só a membros do Judiciário, Legislativo, Executivo, repórteres ou quaisquer “celebridades”. Esta premissa deve se aplicar a qualquer cidadão”.


Publicidade

Relembre o caso

Alexandre de Moraes estava com a família na Itália, onde deu uma palestra na Universidade de Siena, no Fórum Internacional de Direito. Os brasileiros o encontraram no aeroporto e teriam hostilizado o ministro e sua família com xingamentos e ofensas, no dia 14 de julho de 2023. Um deles teria agredido fisicamente o filho de Moraes, Alexandre Barci. Moraes conduziu o TSE durante as eleições de 2022 e é relator dos inquéritos sobre os ataques de 8 de janeiro às sedes dos Três Poderes.

Os três brasileiros foram abordados pela PF no desembarque no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Os suspeitos estão sendo processados pelo ministro. Segundo o Código Penal, os crimes praticados por brasileiros no exterior ficam sujeitos à lei brasileira.

Moraes, a mulher dele e os três filhos do casal depuseram à Polícia Federal no dia 24 de julho. No depoimento, o ministro reafirmou as ofensas que ele e a família supostamente receberam dos suspeitos e teria relatou uma agressão a um dos filhos.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.