Brasília Ministro de Minas e Energia diz que plano de descarbonização da Amazônia será lançado em agosto

Ministro de Minas e Energia diz que plano de descarbonização da Amazônia será lançado em agosto

Iniciativa prevê a troca de energia a óleo diesel por energia do sistema solar, com investimento de R$ 5 bilhões

  • Brasília | Ana Isabel Mansur, do R7, em Brasília

Ministro pretende monetizar processos de transição energética

Ministro pretende monetizar processos de transição energética

Pedro França/Agência Senado

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou nesta segunda-feira (17) que o governo federal lançará, em 10 de agosto, durante um evento no Amazonas, o plano de descarbonização da Amazônia.

A princípio, a apresentação da proposta estava prevista para julho, mas a data foi alterada para contemplar a agenda do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que estará no evento. 

"É o maior programa do planeta de descarbonização. Vamos fazer a transição, efetivamente, do óleo diesel das [usinas] térmicas do sistema isolado, diminuindo, assim, o custo, já que hoje temos tecnologias de energia limpa que precisam ser usadas para modernizar o setor elétrico nacional", declarou Silveira após uma reunião, nesta segunda, com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp
Compartilhe esta notícia no Telegram

No encontro, os ministros trataram também do plano nacional de transição energética. De acordo com Silveira, a iniciativa será debatida ainda neste mês pelo Conselho Nacional de Politica Energética (CNPE), que reúne 16 ministros e é o órgão de assessoramento na formulação de políticas de energia.

"[O dia] depende da agenda do presidente Lula, que fez questão de prestigiar [a próxima reunião do CNPE], um fórum estratégico para discutir temas debatidos no mundo hoje, a segurança alimentar e a energética, questões ligadas à transversalidade de descarbonizar o planeta", afirmou o ministro de Minas e Energia.

No plano, Silveira pretende monetizar a transição energética, para converter os processos em recursos financeiros para o país.

O Brasil, sem dúvida nenhuma, será o grande protagonista da transição energética do planeta. Precisamos achar uma forma de, nessa relação diplomática com o mundo, em especial com os países desenvolvidos, potencializar para monetizar isso e combater as desigualdades no país. Queremos equilíbrio entre desenvolvimento econômico e sustentabilidade, sem perder o foco das políticas públicas, para construir um país onde as riquezas sejam mais bem distribuídas.

Alexandre Silveira, ministro de Minas e Energia

O ministro não apresentou detalhes do plano nacional de transição energética, mas destacou que pretende garantir a reindustrialização do Brasil e a segurança energética e alimentar.

"[Com a] priorização de um país com vocação de servir todo o planeta na questão da segurança de alimentos. Vamos achar instrumentos de aumentar a oferta dos fertilizantes, em especial os nitrogenados", continuou. 

Outros programas

Silveira afirmou que o plano de transição vai incluir o programa Combustível do Futuro, "projeto que integra todas as políticas de descarbonização do setor de transportes, do posto até a roda. Será fundamental para o país, integrando etanol e biodiesel".

O programa Combustível do Futuro foi criado, em 2021, com o objetivo de propor medidas para aumentar o uso de combustíveis sustentáveis em todos os modos de transporte no país.

O ministro de Minas e Energia destacou, ainda, que o programa Gás para Empregar, anunciado por ele em fevereiro deste ano, pode ser lançado por meio de medida provisória ou projeto de lei, "desde que seja uma iniciativa do Executivo, a várias mãos, como tem sido, com diálogo permanente, porque é um assunto extremamente transversal".

A iniciativa Gás para Empregar pretende aumentar a competitividade do setor de gás natural, com investimentos privados, e incentivar a industrialização por meio do gás produzido no Brasil. A expectativa do governo é que o incentivo à produção nacional de gás crie emprego e renda.

A proposta prevê investimentos em unidades de fertilizantes, no processamento de gás e em rotas de escoamento e gasodutos de transportes.

Últimas