Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Preso por ameaçar filhos de Moraes responde por abandono de posto na Justiça Militar

Raul de Oliveira foi condenado na 1ª instância militar a 3 meses de detenção; defesa alega que ele deixou posto para ‘fazer um lanche’

Brasília|Ana Isabel Mansur, do R7 em Brasília, e Luís Augusto Evangelista, da RECORD

Operação da PF foi autorizada pelo próprio ministro (Gustavo Moreno/SCO/STF - 21.5.2024)

Preso por ameaçar os três filhos do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes, o segundo-sargento da Marinha Raul Fonseca de Oliveira, de 42 anos, responde por abandono de posto na Justiça Militar. Ele foi condenado na primeira instância militar, em agosto de 2023, a três meses e 20 dias de detenção, em regime inicial aberto. A defesa recorreu da sentença, e o processo é analisado pelo STM (Superior Tribunal Militar).

LEIA MAIS

Em outubro de 2021, durante serviço militar em São João da Barra (MG), Raul Fonseca de Oliveira deixou a unidade, sem autorização, por volta de 20h30. Ele retornou às 23h45 e pulou o portão. Um vigia, ao perceber o movimento, ordenou que o segundo-sargento parasse, o que não foi obedecido. O guarda, então, efetuou disparos e conseguiu deter Oliveira.

A defesa do militar alega que ele deixou o posto para “fazer um lanche” e que não ouviu a ordem de parada do vigia. Os advogados também defendem que a ação do segundo-sargento caracteriza ausência de posto, não abandono.

O Ministério Público Militar pedia, inicialmente, a condenação dele por três crimes: ingresso clandestino, desacato e desobediência; oposição a ordem de sentinela e insubordinação; e abandono de posto. No entanto, a primeira instância da Justiça Militar absolveu-o dos dois primeiros crimes.

Publicidade

Prisões

Raul foi preso em uma operação da Polícia Federal nesta sexta-feira (31). Ele e o irmão, Oliveirino de Oliveira Junior, respondem por ameaça, perseguição e abolição violenta do Estado Democrático de Direito. Os acusados enviaram e-mails aos filhos de Moraes, ao longo de uma semana, com detalhes da rotina dos filhos e do ministro, para intimidá-los.

As prisões ocorreram nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. A operação da PF foi deflagrada após pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República). A ação da Polícia Federal foi autorizada pelo próprio Moraes.

Publicidade

No pedido feito ao STF, o procurador-geral da República, Paulo Gonet, afirma que “o conteúdo das mensagens, com referências a ‘comunismo’ e antipatriotismo’, evidencia com clareza o intuito de, por meio das graves ameaças a familiares do ministro Alexandre de Moraes, restringir o livre exercício da função judiciária pelo magistrado do Supremo Tribunal Federal à frente das investigações relativas aos atos que culminaram na tentativa de abolição do Estado Democrático de Direito em 8.1.2023″.

O procurador-geral defendeu a prisão dos acusados por entender que “a gravidade das ameaças veiculadas, sua natureza violenta e os indícios de que há monitoramento da rotina das vítimas evidenciam, ainda, o perigo concreto de que a permanência dos investigados em liberdade põe em risco a garantia da ordem pública”. Segundo ele, a detenção dos dois é uma medida proporcional pelo risco concreto à integridade física e emocional das vítimas.

Publicidade

A Polícia Federal informou que, além de prender os envolvidos no caso, cumpriu cinco mandados de busca e apreensão no Rio e em São Paulo. Segundo a corporação, o objetivo da operação foi “complementar as evidências em torno de violentas ameaças sofridas por familiares” de Moraes.

A Marinha acompanhou a operação. Eles ficarão presos nas superintendências da Polícia Federal do Rio de Janeiro e de São Paulo até a Justiça determinar para onde devem ser levados.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.