Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Saiba se um terremoto de grande magnitude pode atingir Brasília

Especialista comenta a probabilidade de um tremor como o ocorrido na Turquia e na Síria acontecer no DF e no Brasil

Brasília|Carlos Eduardo Bafutto, do R7, em Brasília


Esplanada dos Ministérios, em Brasília
Esplanada dos Ministérios, em Brasília

O risco de um terremoto de grande magnitude atingir o Brasil é "próximo de zero". É o que diz o geofísico e professor do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), George Sand França.

Após o terremoto que atingiu o sul da Turquia e o norte da Síria, na madrugada de 6 de fevereiro, causar a morte de mais de 25 mil pessoas e deixar um rastro de destruição em várias cidades, o R7 procurou o especialista para saber se um tremor dessa magnitude pode ocorrer em território brasileiro.

Entenda a seguir por que não precisamos temer um grande terremoto por aqui.

Segundo o professor George Sand França, a probabilidade de um tremor de grande magnitude acontecer no Brasil é próxima de zero, apesar de nunca ser descartada. Isso porque os grandes terremotos costumam acontecer em regiões próximas aos limites das placas tectônicas (grandes blocos rochosos que formam a porção superficial da litosfera terrestre). O Brasil está situado na porção central da Placa Sul-Americana.

Publicidade

Veja a imagem:

"No Brasil, a probabilidade de ocorrerem terremotos de grande magnitude é baixa porque estamos sobre uma placa onde o limite oeste está na Placa Sul-Americana, que fica na região que compreende Chile, Peru e Venezuela — o chamado Cinturão de Fogo do Pacífico. Ali sim há grande probabilidade. E o outro limite, ao leste, está em alto-mar no Oceano Atlântico" explica o professor.

Publicidade
George França Sand, do Observatório Sismológico da UnB
George França Sand, do Observatório Sismológico da UnB

O doutor em geofísica comenta que, no Brasil, geralmente acontecem tremores de baixa magnitude. "Mas tivemos dois terremotos de magnitude maior que 6, considerada grande para o nosso país. O maior [tremor] do Brasil foi de magnitude 6,2 [na escala Richter], em Porto dos Gaúchos (MT), registrado em 1955. No mesmo ano, houve um tremor no mar a 300 km da costa de Vitória (ES). No caso do Distrito Federal, terremotos são ainda menos prováveis. Não há registros de grandes terremotos aqui", tranquiliza. O risco é tão baixo que, segundo fontes da Defesa Civil no Distrito Federal ouvidas pela reportagem, "não há plano específico para terremotos, visto que a probabilidade de tal fenômeno no Brasil com potencial de causar danos é praticamente inexistente".

O professor afirma que a probabilidade de ocorrência de atividade sísmica é maior em regiões como o Rio Grande do Norte, a área entre Goiás e o Tocantins, a cidade de Porto dos Gaúchos (MT), a região próxima a Montes Claros (MG) e Vitória (ES), que, assim como em toda a costa onde ocorre a exploração de óleo, têm atividade sísmica. No entanto, não há motivo para medo. "Os tremores nessas regiões são todos de menor magnitude, e a probabilidade de terremotos severos é bem menor do que em regiões como Turquia e México", esclarece.

De acordo com George Sand França, o que diferencia o Brasil da Turquia, do ponto de vista da geofísica (ciência que estuda as propriedades físicas e os processos físicos que ocorrem no interior da Terra), é que a Turquia está no encontro de três placas tectônicas que geram energia ao se movimentarem causando os terremotos: Placa da África, Placa Arábica e microplaca da Anatólia. "Elas acumulam pressão uma sobre a outra até o momento em que a região não suporta e libera energia, o que causa o terremoto", esclarece o geofísico. "A possibilidade de um terremoto de 7,8 graus na escala Richter, como o visto na Turquia, é muito pequena", completa.

Veja imagens do rastro de destruição deixado pelo terremoto que atingiu a Turquia e a Síria:

Observatório Sismológico da Universidade de Brasília

A UnB abriga um dos quatro centros de monitoramento sismológico do país: a Rede Sismográfica do Centro e Norte do Brasil (RSCN). Ela faz parte da Rede Sismográfica Brasileira (RSBR), que também congrega a Rede Sismográfica do Sul e do Sudeste (RSIS/SE), a Rede Sismográfica do Nordeste (RSISNE) e a Rede Sismográfica Integrada do Brasil (BRASIS).

Leia também

Esses locais trabalham em conjunto no monitoramento de fenômenos sismológicos que ocorrem em todo o mundo. "Quando acontece um terremoto de grande magnitude no mundo, o tremor é detectado pela rede, apesar da distância. Essa rede tem suporte mundial. Por isso temos dados que subsidiam estudos em todas as partes do mundo," afirma o professor.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.