Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

TSE libera para julgamento recursos que pedem cassação de Moro

Senador foi absolvido em julgamento no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, mas TSE vai dar palavra final

Brasília|Gabriela Coelho, do R7, em BrasíliaOpens in new window

Mandato de Sergio Moro será julgado pelo TSE (Geraldo Magela/Agência Senado - 20/02/2024)

O ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Floriano Marques liberou para julgamento os recursos apresentados contra a decisão do TRE-PR (Tribunal Regional Eleitoral do Paraná) que rejeitou a cassação do mandato do senador Sergio Moro (União Brasil), no último dia 9 de abril. Os processos, analisados em conjunto, apontam abuso de poder econômico, uso de caixa dois e utilização indevida de meios de comunicação durante a pré-campanha eleitoral de 2022.

Agora, o presidente da Corte, ministro Alexandre de Moraes, deve marcar uma data. Moraes deixa o tribunal no dia 3 de junho. A ministra Cármen Lúcia assume a presidência e a cadeira vaga será do ministro André Mendonça.

Leia Mais



Publicidade



Publicidade

Um dos recursos contra a decisão do TRE-PR foi apresentado pela Federação Brasil da Esperança (formada pelos partidos PT, PV e PCdoB) e aponta equívocos cometidos na análise das provas dos autos pelo desembargador Luciano Falavinha. A federação diz que a corrida eleitoral de Moro foi impulsionada com abuso de poder econômico.

Para o presidente do PT no Paraná, Arilson Chiorato, até mesmo discursos de magistrados desfavoráveis à cassação apontaram indícios de irregularidades na campanha.

Publicidade

“Além de dois votos a favor da cassação e do parecer do Ministério Público Eleitoral, alguns dos outros votos também indicaram a existência de um volume alto de recursos na pré-campanha, colaborando com a nossa tese. Peticionamos o processo para que a Justiça seja feita. O gasto de campanha, somado ao gasto de pré-campanha, extrapola o limite legal. Entendemos que Sergio Moro abusou economicamente e precisa ser responsabilizado por isso”, argumenta Chiorato.

O advogado da federação, Luiz Eduardo Peccinin, destaca a fala em que Moro admite a finalidade de seus gastos. “A decisão do TRE-PR toma premissas equivocadas para desconsiderar quase integralmente o dinheiro gasto por Moro. Mais, divide a pré-campanha de Moro ignorando que o próprio senador confessou publicamente que empreendia um ‘projeto nacional’ que naufragou e, portanto, assumiu os riscos de gastar como um candidato a presidente e violar a paridade de armas eleitoral”.

O julgamento de Moro no TSE abrirá precedente sobre a atuação da Justiça Eleitoral quando houver gastos de candidatos no período anterior à campanha eleitoral.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.