Como não adoecer por burnout na pandemia?

Conteúdo patrocinado. Antes de pandemia, para se ter uma ideia, cerca de

Portal Correio

Conteúdo patrocinado. Antes de pandemia, para se ter uma ideia, cerca de 1 bilhão de pessoas viviam com um transtorno mental, 3 milhões morreram devido ao uso de álcool e uma pessoa morria a cada 40 segundos por suicídio. E com cenários social e de emprego incertos atualmente, existe outra possibilidade para os trabalhadores: o desenvolvimento da síndrome de burnout, que é caracterizada pelo esgotamento profissional. Mas como não adoecer pelo burnout?

A enfermeira e Profa. Dra. Ericka Holmes Amorim, do curso de Enfermagem do Unipê, indica que uma primeira atitude seria adquirir uma rotina saudável de trabalho, sendo necessário dividir o tempo entre atividades laborais, domésticas e de lazer. Especialmente no home office, onde, pelo contexto trazido pela pandemia, pode haver um aumento de casos da doença.

Mas não há uma rotina correta. O ideal é que cada pessoa se conheça e saiba quantas horas pode se dedicar ao trabalho de forma que este não sugue suas energias ao ponto de levá-la ao esgotamento.

Ericka ainda lembra que a principal responsável pelo esgotamento é a organização do trabalho. Por isso, “é importante que as empresas possam modificar a conjuntura do trabalho, a forma como cobram produção dos empregados, assim como promover ações de cuidado para com estes, momentos de relaxamento, descanso e reconhecimento pelo trabalho realizado”, indica.

Caso apresente sintomas compatíveis com a síndrome, a pessoa deve buscar orientação de um profissional da saúde, como enfermeiros, psicólogos e médicos. Mas como tratar? Quando for medicamentoso, o diagnóstico médico é essencial para a realização dele.

“Ainda, o indivíduo pode procurar por tratamentos por meio das Práticas Integrativas e Complementares de Saúde (PICS são tratamentos que utilizam recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para prevenir diversas doenças como depressão e hipertensão)”, arremata Ericka.    

Últimas