Folha Vitória Depois de dois acidentes graves no ES, Bombeiros dão dicas para prevenir acidentes com pipa

Depois de dois acidentes graves no ES, Bombeiros dão dicas para prevenir acidentes com pipa

Só na última quarta-feira (16), foram registrados dois acidentes em Vila Velha; em um dos casos, um jovem de 21 anos morreu

Folha Vitória
Foto: Reprodução / Youtube
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A prática de empinar pipa é muito comum, principalmente durante o período de férias escolares. No entanto, a brincadeira contribui também para o aumento de acidentes com motociclistas, causados pelas linhas com cerol. 

Só nesta semana, foram registrados dois casos no município de Vila Velha. Em um deles, um jovem de 21 anos, identificado como Lucas Miranda, tombou com o veículo e morreu após ser atingido por uma linha de pipa.

Logo depois, no final da tarde, uma motociclista de 34 anos também ficou ferida após ser atingida no pescoço por uma linha de pipa com cerol. O caso aconteceu no no bairro Primeiro de Maio. 

Diante dos graves acidentes, a tenente Andressa, do Corpo de Bombeiros, deu algumas dicas de proteção para os motociclistas. Confira:

Antena corta-pipa
A principal maneira para o motociclista se prevenir contra a linha cortante é a instalação da antena corta-pipa. O item de proteção é encontrado em lojas ou sites especializados para motos com valores entre R$ 10 e R$ 50.

"A linha vai encostar aqui na antena, ser aparada, e subir até ponta de corte, protegendo o motociclista de lesões", explicou a tenente. 

Capacete retrátil
Na maioria dos casos envolvendo motociclistas e linhas de pipa, o pescoço acaba sendo o principal alvo. Muitos não sabem, mas o uso de capacetes abertos faz com que o risco para cortes seja maior. 

Embora seja permitido pela legislação, o capacete aberto, segundo a tenente, deixa o motociclista mais exposto aos riscos. O capacete retrátil é mais indicado e seguro para a proteção total do rosto.  

O que diz a lei?

Foto: Reprodução TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

No Espírito Santo existe uma legislação, criada em 2005, que proíbe a fabricação e comercialização de cerol e linhas cortantes em todo território capixaba.

A lei sujeita ao estabelecimento uma advertência e apreensão do produto. Caso se repita, é aplicada uma multa no valor correspondente a R$ 1 mil. 

O Corpo de Bombeiros pede que a população denuncie estabelecimentos que comercializam e fabricam as linhas de cerol. Basta ligar para o Disque-Denúncia 181. 

Com informações da TV Vitória/Record TV. 

Últimas