Folha Vitória Estudo aponta maior incidência de câncer entre pacientes obesos

Estudo aponta maior incidência de câncer entre pacientes obesos

Entre os diversos tipos de câncer, um dos mais comuns em pacientes com obesidade é o de mama

Folha Vitória
Foto: Divulgação/DINO
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Uma pesquisa publicada pela revista científica Nature Communications sugere que a obesidade produz alterações celulares que promovem a origem de tecidos carcinogênicos, ou seja, que produzem células cancerígenas. A obesidade é uma doença crônica e está diretamente relacionada com ao menos 10% das mortes oncológicas em não fumantes no mundo.

De acordo com o estudo, uma das hipóteses é que a obesidade eleva os níveis de insulina, hormônio que aumenta o metabolismo e a duplicação celular. O tecido gorduroso também produz hormônios femininos que são fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de mama. Outro ponto é a inflamação crônica causada pela obesidade, algo que também aumenta o risco de desenvolvimento de cânceres.

Segundo o especialista em obesidade, cirurgião bariátrico e do aparelho digestivo, Dr. José Alfredo Sadowski, a obesidade promove diversas alterações físicas e metabólicas que colaboram não apenas para o desenvolvimento de diversos tipos de câncer como também para problemas cardiovasculares, diabetes, hipertensão, entre outras comorbidades. "Hoje vemos mais estudos apontando a incidência de casos de câncer em pacientes com obesidade. Durante a pandemia também vimos como a obesidade se tornou um fator de risco para pacientes com COVID-19, que evoluíam mais facilmente para formas graves da doença", comenta Sadowski.

Contudo, o médico destaca que a obesidade possui tratamentos eficazes e seguros como a cirurgia bariátrica. O procedimento é indicado quando o paciente atende a alguns critérios como Índice de Massa Corporal (IMC) entre 35 e 40 kg/m² na presença de comorbidades e acima de 40 kg/m² mesmo sem a presença de outras doenças diagnosticadas; idade e tempo de tratamento.

"O principal benefício da cirurgia bariátrica, além de promover a perda de peso, é combater e controlar as doenças associadas e promover qualidade de vida aos pacientes. Além da saúde física, a cirurgia apresenta bons resultados também na saúde mental. Pessoas com obesidade enfrentam grave estigma social, dificuldade de acesso ao mercado de trabalho, e outros diversos tipos de estigmas sociais devido ao preconceito pelo excesso de peso.

Câncer de Mama - De acordo com a médica radiologista Dra. Cristiane Spadoni, estudos epidemiológicos compilados pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca) mostram a importância de fatores culturais e de estilo de vida, sendo 5% a 10% hereditários e 20% a 50% atribuídos a fatores de risco modificáveis, incluindo inatividade física e escolhas nutricionais que levam à obesidade. Segundo ela, o aumento da gordura abdominal aumenta o risco para tumores mais agressivos.

"O risco de desenvolver câncer de mama pós-menopausa é aumentado pela obesidade. Além disso, há redução da sobrevida apesar do tratamento apropriado, mais complicações durante a cirurgia, radioterapia, quimioterapia e maior recorrência local. Há, ainda, aumento da probabilidade para ter um tumor maior, metastático, resistente à terapia endócrina e doença avançada no momento do diagnóstico", explica Cristiane Spadoni.

Genoma e obesidade - Um outro estudo publicado por pesquisadores do King's College London no último mês aponta que os cientistas encontraram 74 novas regiões do genoma humano ligados à obesidade.

Os pesquisadores correlacionaram o resto do processo de decomposição de um alimento em energia - o metabolismo - com áreas específicas do mapa genético dos voluntários. Esses resquícios são chamados metabólitos e alguns deles estão diretamente ligados ao bem-estar instantâneo fornecido após uma refeição, enquanto outros estão atrelados aos principais processos fisiológicos do organismo e que interferem em seu equilíbrio.

"É uma pesquisa muito inicial, mas no futuro essas descobertas podem ajudar a desenvolver abordagens para manter um peso saudável que levem em consideração o perfil genético de uma pessoa", comenta Sadowski. “Um maior entendimento do porque o metabolismo e as necessidades de nutrientes diferem entre indivíduos, considerando os fatores intrínsecos como a genética, epigenética, microbioma e fatores ambientais, como dieta, atividade física, saúde mental e exposição ao meio ambiente permitirão estratégias mais personalizadas para reduzir o câncer de mama relacionado à obesidade”, diz Cristiane Spadoni.

Obesidade cresce no Brasil - A última edição da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) aponta o crescimento do índice de sobrepeso e obesidade. De acordo com os dados, 96 milhões de pessoas, ou cerca de 60,3% da população adulta do Brasil, estão com sobrepeso. Especificamente sobre a obesidade, o índice de prevalência em homens adultos é de 22,8% e de 30,2% nas mulheres.

Critérios para indicação da cirurgia bariátrica - No Brasil, a cirurgia bariátrica pode ser indicada quando os pacientes atendem a critérios de peso, idade e/ou doenças associadas. Estão aptos os pacientes com Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 40 kg/m², independentemente da presença de comorbidades; IMC entre 35 e 40 kg/m² na presença de comorbidades; IMC entre 30 e 35 kg/m² na presença de comorbidades que tenham obrigatoriamente a classificação "grave" por um médico especialista na respectiva área da doença.

A idade também é fator a ser analisado. Pacientes entre 18 e 65 anos não têm restrição. Acima de 65 anos, o paciente deverá passar por uma avaliação individual. Em pacientes com menos de 16 anos, o Consenso Bariátrico recomenda que a operação deve ser consentida pela família ou responsável legal e estes devem acompanhar o paciente no período de recuperação.

Últimas