Folha Vitória Motorista de aplicativo é feito refém por quase duas horas na Serra

Motorista de aplicativo é feito refém por quase duas horas na Serra

O motorista contou que a corrida foi solicitada por uma mulher, mas ao chegar no local de partida, quatro homens entraram no carro

Folha Vitória
Foto: Reprodução / TV Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória
Trajeto feito pelos criminosos que colocaram a vítima no porta-malas

Por volta das 14h da última quarta-feira (6), um motorista de aplicativo foi surpreendido por quatro homens que o abordaram no momento de uma corrida e, em seguida, obrigaram ele a entrar no porta-malas do próprio carro. Foram quase duas horas preso no compartimento enquanto os assaltantes faziam assaltos em diferentes bairros da região.

De acordo com o motorista, a corrida foi solicitada por uma mulher que faria o trajeto do bairro Porto Canoa, na Serra, até Maringá, no mesmo município. Mas no momento em que chegou no local de partida, quatro homens entraram no carro. Pouco antes dele parar o carro, ele conta que os quatro rapazes estavam conversando na esquina.

Depois de um tempo, os passageiros anunciaram o assalto e quando o carro chegou em uma zona rural, eles obrigaram o motorista a entrar no porta-malas. A vítima conta que esta foi a pior parte de toda a ação, pois antes do homem exigir que ele saísse do carro, ele apontou uma arma para a cabeça do motorista.

Ele contou ainda que durante todo o trajeto, manteve contato direto com os assaltantes, que prometeram não passar por buracos ou quebra-molas para que ele não fosse machucado enquanto estivesse preso no porta-malas. No entanto, após o primeiro assalto, a situação mudou e os condutores do veículo passaram a acelerar e cantar pneu na pista.

Como estava preso, a vítima não conseguia ver nada do que estava acontecendo no lado de fora, apenas ouvia a conversa dos rapazes. No primeiro momento, o motorista acreditou que os criminosos estivessem fazendo um carregamento de drogas. No final de tudo, ele descobriu que os quatro rapazes estavam fazendo vários assaltos em comércios da região em diferentes bairros.

De acordo com o motorista, os bandidos assaltaram um salão de beleza e duas padarias, sendo cada um em um bairro diferente.

"Em todo o momento do trajeto, eles iam em algum lugar, paravam, desciam três e um ficava no volante, aí ficava tudo em silêncio.Depois eles vinham correndo batiam a porta e saiam cantando pneu", lembra a vítima. 

Com a ajuda do computador na parte de trás do carro, a vítima conseguiu ter acesso a todo o trajeto que os criminosos fizeram com o veículo. Ele conta que foram quase duas horas sendo refém e que depois do susto, os criminosos ainda levaram o dinheiro e o celular dele.

"Ele falou que não ia me deixar preso no porta-malas e que no final da viagem ele ia abrir para mim. Ele abriu o porta-malas, jogou a chave dentro, virou as costas e foi embora", disse.

Assim que os quatro suspeitos foram embora, o motorista pediu ajuda a alguns agentes de trânsito que estavam na BR-101. 

"Tinham três viaturas da guarda municipal e eu fui pedir ajuda a eles porque eu não sabia como proceder, então eles me emprestaram o telefone e eu liguei para o Ciodes. Nisso, o Ciodes já estava vindo fazer o cerco no carro, aí eles passaram na BR, os guardas acenaram para eles, eles pararam e foi feita a ocorrência", contou.

Além de trabalhar como motorista de aplicativo, a vítima também atua como motoboy, mas agora está sem trabalhar, pois depende do celular que foi levado pelos assaltantes. Amigos e familiares decidiram contribuir com o motorista, para que ele compre um celular novo e volte ao trabalho.

* Com informações da repórter Marla Bermudes, da TV Vitória/Record TV.

Últimas