Folha Vitória Reposição hormonal: entenda o que é e quando ela pode ser feita

Reposição hormonal: entenda o que é e quando ela pode ser feita

Em alguns casos, a reposição hormonal pode trazer muitos benefícios para a saúde. Já em outros, ela é contraindicada, por isso é preciso consultar um especialista

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

A reposição hormonal está indicada quando é comprovada por exames a falência das gônadas, ou seja, dos ovários e testículos. Para esses casos a reposição hormonal pode trazer inúmeros benefícios para a saúde e qualidade de vida do indivíduo.

Mas também existe a contraindicação para os casos de câncer de mama e endométrio, alguns raros cânceres de ovário, doença com alto risco cardiovascular, acidente vascular cerebral (AVC) e alto risco de trombose. 

> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas pelo WhatsApp? Clique aqui e participe do nosso grupo de notícias!

Pessoas com doenças clínicas descompensadas, como doença hepática e renal, também não devem fazer uso de reposição hormonal.

A endocrinologista Lorena Lima Amato esclareceu as principais dúvidas sobre reposição hormonal e derrubou alguns mitos muito difundidos sobre a terapia.

Quais os benefícios da reposição hormonal?

São vários, mas destaco a diminuição ou até mesmo o desaparecimento dos fogachos e os sintomas gênito urinários, como atrofia e lubrificação vaginal, atrofia da uretra que, em longo prazo, acaba levando à incontinência urinária. Outros benefícios que posso ressaltar são a saúde óssea, saúde cardiovascular e psíquica.

E quando não se pode fazer a reposição, quais as alternativas?

Existem fitoterápicos antidepressivos que podem ajudar nos fogachos. Mas há algo que sempre insisto com os meus pacientes: o hábito de vida saudável, que sempre melhora vários aspectos. Uma mulher que não pode fazer reposição hormonal, pode manter a saúde óssea com a prática de atividade física, alimentação equilibrada. Tudo isso ajuda no bem-estar psíquico e físico.

Para evitar os problemas gênito urinários que citei anteriormente, já existem tratamentos locais que vão de laser, injeção de ácido hialurônico vaginal, tratamento com hidratantes vaginais e até hormônios que só agem localmente na região vaginal, além de exercícios pélvicos.

É verdade que a reposição hormonal causa câncer?

Mito! A reposição hormonal não faz surgir o câncer. O que pode acontecer é já existir um câncer e a reposição estimular o crescimento daquela célula. Por isso, é importante fazer os exames de rotina antes de iniciar a reposição hormonal e no seguimento da terapia.

A reposição hormonal melhora o sono?

Verdade! A reposição hormonal tem um potencial importante para a melhora do sono porque trata os fogachos, que surgem, principalmente, durante a madrugada. Na reposição hormonal, além da testosterona, está indicado o uso da progesterona que ajuda na melhora e qualidade do sono.

A reposição hormonal emagrece?

Outro mito! Apesar de sabermos que na menopausa acontece uma mudança da composição corporal feminina, maior acúmulo de gordura, principalmente em tronco, e uma perda da região subcutânea e com potencial de ganho de peso, a reposição hormonal não garante emagrecimento, até porque as doses utilizadas não chegam nem perto dos níveis hormonais da juventude, já que é usada uma dose bem baixa. Um exemplo é o anticoncepcional que tem a dose bem maior que a utilizada na reposição hormonal.

A reposição hormonal faz crescer pelos?

Mito! Sem a reposição normal pode haver um desequilíbrio e até acontecer de nascer mais pelos, mas a reposição hormonal não causa isso.

Últimas