Folha Vitória Saiba o que muda com a integração dos ônibus de Vitória ao sistema Transcol

Saiba o que muda com a integração dos ônibus de Vitória ao sistema Transcol

Mudança passa a valer na próxima segunda-feira. Sistema de transporte público municipal deixará de existir, mas as linhas serão as mesmas

Folha Vitória
Foto: Iures Wagmaker / Folha Vitória
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

O sistema de transporte coletivo de Vitória deixará de existir, a partir da próxima segunda-feira (10), e os ônibus municipais da capital passarão a integrar o sistema Transcol. Dessa forma, os passageiros que utilizarem os chamados 'verdinhos' poderão pegar um ônibus que vai de um terminal para outro sem pagar mais uma passagem.

No entanto, como a capital capixaba não possui um terminal do Transcol, como ocorre em Vila Velha, Serra e Cariacica, a conexão entre as linhas alimentadoras — que ligam os bairros aos terminais — e as linhas troncais — que fazem o itinerário entre terminais — terá regras específicas. O usuário terá um tempo pré-determinado para realizar o segundo embarque, fazendo a conexão com as linhas troncais e vice-versa, sem precisar pagar nova tarifa.

De acordo com o secretário estadual de Mobilidade e Infraestrutura, Fábio Damasceno, por enquanto a possibilidade de realizar a conexão entre linhas troncais e alimentadoras de Vitória será a única mudança para o usuário do transporte coletivo. Neste momento, as novas linhas do Transcol vão manter as numerações e itinerários. Ainda segundo o secretário, os ajustes serão realizados pontualmente, à medida que forem identificadas necessidades de melhoria no serviço.

Obrigatoriamente, o passageiro precisa utilizar o CartãoGV para fazer a conexão em Vitória. É a tecnologia do sistema de bilhetagem eletrônica, implantada pelo governo do Estado em 2019, que permite que o usuário realize um novo embarque sem pagar novamente a tarifa.

No caso da capital, em vez da linha alimentadora seguir até um terminal para acessar uma linha troncal, o passageiro terá um tempo para realizar um segundo embarque em alguma linha troncal (ou vice e versa), fazendo a conexão entre linhas troncais e alimentadoras. 

O tempo para o segundo embarque será o seguinte:

- Primeiro embarque na linha alimentadora de Vitória: até 30 minutos para realizar o segundo embarque em Vitória
- Primeiro embarque nas linhas troncais ou roletas de terminais: até uma hora para realizar o segundo embarque em Vitória
- Primeiro embarque nas linhas alimentadoras de Vila Velha, Cariacica, Serra e Viana: até uma hora e 30 minutos para realizar o segundo embarque em Vitória

Informações

Todas as linhas de alimentadoras de Vitória possuem pelo menos uma possibilidade de conexão na cidade. Para consultar as conexões permitidas entre as linhas alimentadoras e as linhas troncais na capital, o usuário poderá:

- Acessar o site da Ceturb-ES: selecionando a linha alimentadora de Vitória em que está viajando e, posteriormente, clicando na linha que deseja embarcar para abrir a lista das vias para realizar o segundo embarque;

- No aplicativo ÔnibusGV: escolhendo o ponto onde vai desembarcar, selecionando a linha que ele está viajando e abrindo as linhas que passam naquele ponto e que fazem a integração;

- O usuário ainda pode se informar por meio do telefone da Ceturb-ES: 0800 039 1517 (ligação gratuita)

Confira detalhes das mudanças:

>> Atualmente, em Vitória, as linhas que fazem o transporte até os bairros compõem o sistema municipal. A partir de segunda-feira, essas linhas passarão a compor o sistema Transcol, como linhas alimentadoras. 

>> O funcionamento é semelhante ao das linhas alimentadoras que operaram em outros municípios da Grande Vitória, como Vila Velha, Serra e Cariacica. A diferença é que, nessas cidades, a integração é feita dentro dos terminais. Como Vitória não tem terminal, no município será feita a integração temporal. Isso significa que o passageiro poderá desembarcar de uma linha alimentadora, em locais pré-determinados, e embarcar em uma linha troncal, sem a necessidade de pagar uma nova passagem, como ocorre hoje.

>> Para que seja feita a integração temporal, é necessário seguir uma série de regras. Para cada linha alimentadora, há uma lista de linhas troncais em que pode haver essa integração, e vice-versa. Por exemplo, se o usuário embarcou em um ônibus alimentador da linha 121, que passa pela avenida Dante Michelini, ele só poderá fazer a integração em uma linha troncal que passar pela mesma avenida. Por meio do aplicativo ÔnibusGV o usuário pode conferir quais linhas estão integradas.

>> Além disso, o usuário tem um tempo pré-determinado para passar de uma linha para outra. A partir do momento em que ele embarca em uma linha alimentadora de Vitória e passa o cartão na catraca, ele tem meia hora para fazer uma nova validação, em uma linha troncal. Caso ele embarque em uma linha troncal (linhas 500) e queira fazer a integração em uma alimentadora de Vitória, esse prazo é de uma hora. Já se o embarque inicial é feito em uma linha alimentadora de Vila Velha, Serra, Cariacica ou Viana (linhas 600, 700, 800 e 900), o limite para embarcar em uma linha alimentadora de Vitória é de uma hora e meia.

>> Caso haja algum problema na integração, como, por exemplo, o sistema fizer a cobrança de uma nova passagem dentro do prazo que o usuário tem para fazer a mudança de linha, a pessoa deve entrar em contato com a Ceturb-ES ou com o GVBus, que o dinheiro será restituído.

>> O número das linhas, os itinerários e os horários dos ônibus que hoje operam o sistema municipal de Vitória não será alterado com a integração ao Transcol. Com relação à identidade visual dos coletivos, a princípio eles manterão a mesma plotagem — predominantemente na cor verde. A diferença é que a partir de segunda-feira, eles terão adesivos da Ceturb-ES e Transcol-GV, para identificar que, naquele momento, ele não presta mais um serviço municipal, mas sim um serviço metropolitano.

>> Atualmente, pouco mais de 130 ônibus operam no sistema municipal da capital. A princípio, esses veículos serão aproveitados no sistema Transcol. No entanto, essa frota será renovado ao longo deste ano e do ano que vem. Segundo o governo do Estado, a previsão é de que, até o fim de 2022, toda a frota que hoje opera o sistema municipal seja substituída por ônibus novos.

>> Com a integração desses pouco mais de 130 ônibus municipais, o sistema Transcol passará a contar com uma frota de cerca de 1.570 veículos. Segundo Fábio Damasceno, o governo do Estado já adquiriu cerca de 230 ônibus novos, sendo 23 articulados, que serão adicionados à frota ao longo de 2021.

Últimas