Folha Vitória Setembro Amarelo: saiba o que não dizer a pessoas que sofrem com depressão

Setembro Amarelo: saiba o que não dizer a pessoas que sofrem com depressão

O tema é de grande importância, já que dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que um brasileiro a cada 45 minutos tira a própria vida

Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Falar de doenças e transtornos mentais envolve também tratar de rede de apoio. E neste Setembro Amarelo, mês de campanha de prevenção ao suicídio, é importante instruir amigos e familiares para que eles consigam dar suporte, em especial a quem sofre com depressão, da melhor forma possível.

O tema é de grande importância, já que dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que um brasileiro a cada 45 minutos tira a própria vida. E para evitar o pior, saber o que não dizer a quem sofre com a doença é essencial, tanto quanto ter noção do que falar para incentivar a continuidade do desejo de viver.

LEIA TAMBÉM: >> Setembro amarelo: índice de suicídio pode ser 4 a 10 vezes maior entre pessoas com autismo

Para a psiquiatra paranaense Gisele Teixeira Bellinello, o ideal é estar ao lado da pessoa, procurar um local calmo e com privacidade para conversar e dizer que ela não está sozinha. Também é necessário saber o que não falar, além de ser importante não julgar o que esta pessoa diz ou dar conselhos tentando resolver o sofrimento dela. É sempre necessário o incentivo ao tratamento.

Veja que frases não usar, segundo a especialista:

• “É falta de fé ou de Deus”;
• “Você tem uma vida perfeita, porque você está assim?”;
• "Pare de reclamar, tem tanta gente que queria estar no seu lugar, você está fazendo isso só para chamar atenção";
• "Você só está estressado, toma uma cerveja que melhora";
• "Tira umas férias que resolve";
• "Só depende de você, é só ter força de vontade";
• "Isso é fraqueza; psiquiatra é médico de louco";
• "Antidepressivos fazem mal e viciam";
• "Você precisa sair mais de casa";
• "Você precisa esquecer isso, pense positivo". “Incentive a procurar tratamento, se possível agende para ela um psiquiatra e acompanhe na consulta. Avise a uma pessoa próxima ou da família para que façam um suporte próximo e garantam a segurança da vida até que haja melhora do quadro”, acrescentou.

Da mesma forma que pensa a médica, o psicólogo Lucas Polezi de Couto afirma que a primeira e mais importante frase que não deve ser utilizada é de que depressão é falta de Deus. 

> Quer receber nossas notícias 100% gratuitas pelo WhatsApp? Clique aqui e participe do nosso grupo de notícias!

“Ou ainda que é frescura, besteira, que não precisa se preocupar com isso. E é muito comum ouvir esse discurso, infelizmente. Ou ouvir que aquelas pessoas não estão sendo gratas o suficiente, que é só pensar positivo que melhora”, disse.

Para ele, também é muito frequente ouvir que “fulano de tal está em uma situação pior e não está assim, não tem porque você reclamar”. Esse tipo de discurso, para os especialistas, invalida consideravelmente o sofrimento do doente. Invalidação é como diminuir, ridicularizar ou até mesmo punir a expressão emocional da pessoa, sobre o que ela fala sobre o sofrimento dela”, acrescentou o psicólogo.

Afinal, o que dizer para quem sofre com depressão?

Assim como é imprescindível evitar frases de senso comum para lidar com pacientes depressivos, há instruções sobre o que dizer para de fato levar alento e ajuda. Para Polezi, alguns exemplos são:

• “Eu imagino que esteja sendo doloroso passar por isso, se você precisar de algum suporte ou escuta, estou aqui com você”.
• “Estou aqui com você, você não está sozinho”.
• “Se precisar de ajuda, posso te ajudar”.
• “O que posso fazer por você? Existe algo com que eu possa te auxiliar?”

Se a pessoa permitir essa abertura, o especialista explica que o ouvinte pode então orientar procurar ajuda profissional e, se ela quiser, ajudar a encontrar um psicólogo ou psiquiatra.

LEIA TAMBÉM: >> ES já registrou 41 mortes por meningite só este ano; baixa cobertura vacinal preocupa

Casos de risco elevado

Para Bellinello, em casos em que há risco mais alto, iminente, de ideação suicida grave, com planejamento, tentativa de suicídio quase sendo feita ou após a tentativa, a psiquiatra explica que não se pode deixar a pessoa sozinha.

“Leve imediatamente a um Pronto Socorro ou Serviço de Emergência. Após tentativa, primeiro o paciente deve ser avaliado clinicamente/”fisicamente” para ser descartado risco de morte e para que seja avaliado por psiquiatra. No caso de a pessoa em risco alto se recusar a ir voluntariamente, deve ser acionado o Samu para encaminhar involuntariamente, já que pode ser necessária internação psiquiátrica nestes casos mais graves”, disse a médica.

O psicólogo Lucas Polezi acrescenta que o ideal é sempre buscar que haja consentimento do paciente para levá-lo para uma internação. A internação compulsória, segundo ele, é usada em último dos casos, geralmente quando a pessoa não consegue tomar essa decisão por si só ou está em um nível muito resistente à intervenção.

Por fim, o psicólogo tranquiliza quem tem um amigo ou parente nesta situação: “Não necessariamente todas as pessoas com depressão vão morrer ou tentar suicídio. Pode até ser que elas tenham ideação, planejamento e que nunca coloquem em prática. Há também quem nem sequer pense na possibilidade”, finalizou. 

Últimas