Folha Vitória Setor leva proposta ao governo do ES para aumentar limite de número de pessoas em eventos

Setor leva proposta ao governo do ES para aumentar limite de número de pessoas em eventos

Proposta da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape) sugere que capacidade de público seja ampliada para 400 pessoas em cidades de risco moderado e 700 em risco baixo caso vacinação seja concluída em grupo prioritário

Folha Vitória
Foto: Divulgação
Folha Vitória

Folha Vitória

Folha Vitória

Duramente afetado pelas restrições impostas pela pandemia, o setor de eventos e shows apresentou uma proposta de retomada gradual das atividades para o governo estadual. A Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape) no Espírito Santo estabelece, entre as sugestões, que eventos culturais e de entretenimento (shows, festas, festivais, eventos com acesso mediante ingresso) sejam liberados imediatamente em cidades de risco moderado para 300 pessoas, alcançando o limite para até 400 pessoas se todo o público prioritário e das pessoas com comorbidades fosse totalmente vacinado. Em cidades de risco baixo esses eventos teriam, neste momento, a capacidade aumentada para 500 pessoas. O número cresceria para 700 pessoas,  caso houvesse vacinação completa das pessoas com comorbidade e grupo prioritário.

Atualmente, eventos culturais e de entretenimento mediante pagamento de ingresso não são permitidos, sendo recomendados formato online. Só são admitidos eventos sociais como festas, formaturas, casamentos, aniversários para até 300 pessoas em municípios de risco baixo e moderado. O evento não deve oferecer pista de dança e os convidados devem estar de máscaras. 

"Nossa intenção é conciliar a volta de nossas atividades de maneira segura e responsável, amparada pelos alcances da vacinação", explica o diretor regional da entidade, Pablo Pacheco, apontando que o limite de público seria estendido à medida que mais pessoas fossem vacinadas. "Quando se alcançasse 70% de toda a população em geral imunizada, as regras para eventos poderiam ser suspensas, já que estaríamos na chamada imunidade coletiva", explica.

Passaporte de vacinação

Outra sugestão da entidade é que seja utilizado uma espécie de controle de acesso aos eventos utilizando a comprovação de que a pessoa recebeu a vacina contra covid-19. "Poderia ser utilizado o aplicativo do Ministério da Saúde, o ConecteSuS, que indica quais vacinas a pessoas recebeu, servindo assim como um passaporte para um evento ou show", descreveu.

Segundo Pacheco, o plano se baseia em experiências do setor de entretenimento já praticadas nos Estados Unidos e na Europa, onde as atividades começam a retornar com o avanço da vacinação. "Precisamos pensar em ampliar o limite para o setor de pequeno porte que é o que mais sofre nesta pandemia que já está com duração de 16 meses", aponta. Ele contabiliza que o setor, no Brasil, deixou de movimentar R$ 1,8 bilhão no ano passado. "Aqui no Espírito Santo, 10 mil trabalhadores perderam o emprego e 4500 microempreendedores estão sem renda com 1000 empresas com caixa afetado", contabilizou.

Governo fará análise

A secretária de Estado de Turismo, Lenise Loureiro, confirmou que a proposta da Abrape estará sob análise com o auxílio do corpo técnico da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa). A intenção da Abrape é considerada interessante frente à flexibilização de acordo com maior alcance da população imunizada. "Recebemos o material e a Sesa está fazendo essa análise à luz desse cronograma de vacinas previstas pelo Governo Federal, que esperamos que seja cumprido. Cumprido esses percentuais a ideia é que a gente possa de fato flexibilizar mais a atividade no Estado", planeja. 

Últimas