Cidades Mãe mobiliza 80 mil internautas e MP por intérprete para filho surdo

Mãe mobiliza 80 mil internautas e MP por intérprete para filho surdo

Regilayne Rocha dos Santos exige o direito de o filho Wallace, de 7 anos, ter um intérprete de libras garantido pelo estado para assistir aulas online

  • Cidades | Do R7

Wallace, de 7 anos, chora por não entender o conteúdo das aulas

Wallace, de 7 anos, chora por não entender o conteúdo das aulas

Reprodução

A pandemia cria ainda mais desafios para alunos com deficiência auditiva. Muitas instituições de ensino não conseguiram adequar as aulas para esses estudantes. A falta de intérpretes de libras e de material apropriado prejudica a inclusão de milhares de jovens.

Veja também: Mãe cria máscara de proteção transparente para ajudar filho surdo com leitura labial

Wallace tem 7 anos e nunca pensou que fosse enfrentar tanta dificuldade na primeira série, ano de alfabetização. Em um vídeo, é possível ver a criança chorando e a mãe, Regilayne Rocha dos Santos, tentando consolá-lo. Ele tem um grau de surdez severo.

Regilayne entrou com uma ação junto ao Ministério Público do Mato Grosso, onde mora, para que o direito de o menino ter um intérprete de libras seja garantido pelo estado. Ela também criou uma campanha na internet que já conta com a assinatura de mais de 79 mil pessoas.

Assista: Mãe e filha produzem máscaras para ajudar deficientes auditivos

“É revoltante você ver seu filho ali sendo jogado de lado porque eles tiveram tempo pra pensar nos alunos normais, né. Por que não tiveram tempo pra pensar nas crianças especiais?,  desabafa a mãe.

Só no ensino básico, O Brasil tem hoje mais de cinquenta mil alunos com deficiência auditiva, surdos ou surdos-cegos.São Paulo (3.900), Minas Gerais (3.100) e Rio Grande do Sul (1.300) são os estados que lideram em número de alunos matriculados na rede estadual. A educação à distância, ampliada pela pandemia, traz novos desafios.

Adaptar o ensino on-line para esses alunos é mais fácil do que parece. Com a distância, a barreira da máscara não existe. Muitos conseguem entender o que é dito pela expressão facial. Outros dependem da libras. Em qualquer um dos casos, como a comunicação visual é muito importante, a forma com que tudo aparece na tela, faz toda a diferença.

“A gente precisa pensar qual é a necessidade específica de cada indivíduo. é importante que esse intérprete esteja íntegro e aparecendo na tela toda. Não adianta ter um quadradinho pequeninho com alguns sinais porque o surdo não vai aprender apenas com um foco muito pequeno, onde ele vai estar enquadrado”, afirma a fonoaudióloga Cilmara Levy.

O diretor pedagógico Wagner Agripino, de uma escola em São Paulo que só atende adolescentes surdos, entende que sem o profissional com formação em libras a aprendizagem vai ser comprometida.“A criança surda ela vai ter muitas perdas e com certeza essas perdas refletirão no futuro”, afirma.

Em uma fase tão importante para o desenvolvimento da criança, os sinais de Wallace mostram a importância do acesso ao ensino.“Ele falou que quer o intérprete na escola. Precisa”, traduz a mãe. “Eu só quero que a lei seja seja cumprida. Só isso. Mais nada”, finaliza Regilayne.

Últimas